Banca de DEFESA: FRANCISCO DAS CHAGAS DE MORAIS

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : FRANCISCO DAS CHAGAS DE MORAIS
DATA : 20/12/2017
HORA: 14:30
LOCAL: auditório C
TÍTULO:
O INTERDISCURSO NA EDUCAÇÃO POPULAR: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE O MEB (BRASIL) E A ACPO (COLÔMBIA)
 

 

 

 


PALAVRAS-CHAVES:

 

Palavras-chave: MEB, ACPO, educação popular, programas radiofônicos, ethos, cenas de enunciação, discurso político, interdiscurso,

 


PÁGINAS: 100
RESUMO:


Esta análise parte da tese de que o discurso socioeducativo do MEB, nos anos de 1980, no Brasil, se constitui de forma diferenciada do discurso socioeducativo da ACPO, na década de 1950, na Colômbia, por ter incorporado novos sentidos, na interdiscursividade do contexto, sob condições de produção específicas, determinando posicionamentos diferenciados dos sujeitos institucionais, no campo discursivo da Educação Popular. O objetivo é analisar o interdiscurso nos roteiros dos programas radiofônicos educativos veiculados pela ACPO, da Colômbia, (anos de 1950) e Movimento de Educação de Base – MEB, do Brasil (anos de 1980). Os trabalhos que tratam do MEB, como objeto de estudo relacionado à educação de base ou educação popular, quase sempre mencionam ligeiramente a ACPO e a sua importância como inspiração ou modelo para a criação das Escolas Radiofônicas, no Brasil, das quais se originaria o MEB, em 1961. No entanto, essa ligeira menção não passa de um dado secundário, ao qual se dá pouca importância, nos estudos da Educação Popular, dando a impressão de que o MEB foi uma mera repetição da experiência colombiana. Esta pesquisa, de cunho documental, também se insere no âmbito da pesquisa qualitativa, dado o seu caráter interpretativista, tendo, como corpus, roteiros de aulas e programas radiofônicos produzidos e apresentados no contexto do trabalho socioeducativo das duas instituições. Mobiliza um aporte teórico formado pela Análise do discurso – AD francesa, dentre a qual destacamos as categorias do interdiscurso, do posicionamento, do ethos discursivo, cena de enunciação, com base nos estudos de Dominique Maingueneau. Recorremos, também, a Patrick Charaudeau, no tocante à análise do discurso de Educação Popular, como discurso político, além da presença teórica de Paulo Freire, cujos princípios político-pedagógicos de Educação Popular nos ajudam a esclarecer as práticas sociodiscursivas de ambas as instituições, no processo de análise.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - EDIVANIA DUARTE RODRIGUES - IFRN
Interno - 1149420 - MARIA DA PENHA CASADO ALVES
Presidente - 1168633 - MARILIA VARELLA BEZERRA DE FARIA
Externo à Instituição - OLGA MARIA TAVARES SETUBAL - UFPB
Interno - 2211871 - RENATA ARCHANJO
Notícia cadastrada em: 30/11/2017 09:30
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa14-producao.info.ufrn.br.sigaa14-producao