Banca de DEFESA: CANNIGGIA DE CARVALHO GOMES

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : CANNIGGIA DE CARVALHO GOMES
DATA : 31/07/2017
HORA: 09:00
LOCAL: a definir
TÍTULO:
A PELE DE UMA ESCRITA: a dicção no feminino na poesia de Paula Tavares


PALAVRAS-CHAVES:
RESUMO
EstadissertaçãoencontranapoéticadePaulaTavares,publicadadesde1985,ocorpus
paraapesquisaqueaquisedesenvolve.Angolana,dosuldeHuíla,trazocorpoda
mulhereseuerotismocomotemáticafulcraldeseutrabalho,irrompendonaliteratura
produzidaemÁfricaapartirdeumapoéticatransgressoradoscostumes.Énaspoesias
publicadas aolongo dos seusseis livros queencontramos oselementos principaispara a
construção desse texto, principalmente nospoemas querefletem sobreo corpo feminino
eoerótico,bemcomoosquenossugeremumaperspectivadeleituraapartirdas
questõesdegênero.AncoradosnateoriadeHélèneCixous,emThe laugh of the
Medusa (1976), partiremos do princípio que há uma literatura de autoria feminina, uma
dicçãonofeminino,paraque,assim,possamosverificaroselementosquesurgema
partirdessaescrita.Investigaremos,maisprofundamente,comosedáoeróticona
poéticadePaulaTavareseoscaminhosquenoséoferecidopararefletirmossobreas
questõesdegênerosecularmentedeflagradasnassociedades.Paraaprofundarmosas
análisessobreocorpoeoerotismo,utilizaremos,commaisênfase,ascolaborações
teóricasdeElisabethGrosz,emCorpos reconfigurados (2000), Elódia Xavier, em Que
corpo é esse? O corpo no imaginário feminino (2007), Georges Bataille, em O erotismo
(2014),EllaShowaltter,emAnarquia sexual (1993), Foucault, em História da
sexualidade(1976-1984) e em Vigiar e punir: nascimento da prisão (1975). A pesquisa
que aqui propomos, se constitui metodologicamente como bibliográfica e analítica.

 Paula Tavares; Erotismo; Escrita feminina.



PÁGINAS: 95
RESUMO:

 

Esta dissertação encontra na poética de Paula Tavares, publicada desde 1985, o corpus para a pesquisa que aqui se desenvolve. Angolana, do sul de Huíla, traz o corpo da mulher e seu erotismo como temática fulcral de seu trabalho, irrompendo na literatura produzida em África a partir de uma poética transgressora dos costumes. É nas poesias publicadas ao longo dos seus seis livros que encontramos os elementos principais para a construção desse texto, principalmente nos poemas que refletem sobre o corpo feminino e o erótico, bem como os que nos sugerem uma perspectiva de leitura a partir das questões de gênero. Ancorados na teoria de Hélène Cixous, em The laugh of the Medusa (1976), partiremos do princípio que há uma literatura de autoria feminina, uma dicção no feminino, para que, assim, possamos verificar os elementos que surgem a partir dessa escrita. Investigaremos, mais profundamente, como se dá o erótico na poética de Paula Tavares e os caminhos que nos é oferecido para refletirmos sobre as questões de gênero secularmente deflagradas nas sociedades. Para aprofundarmos as análises sobre o corpo e o erotismo, utilizaremos, com mais ênfase, as colaborações teóricas de Elisabeth Grosz, em Corpos reconfigurados (2000), Elódia Xavier, em Que corpo é esse? O corpo no imaginário feminino (2007), Georges Bataille, em O erotismo (2014), Ella Showaltter, em Anarquia sexual (1993), Foucault, em História da sexualidade (1976-1984) e em Vigiar e punir: nascimento da prisão (1975). A pesquisa que aqui propomos, se constitui metodologicamente como bibliográfica e analítica.

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1299003 - DERIVALDO DOS SANTOS
Externo à Instituição - ROSILDA ALVES BEZERRA - UEPB
Externo ao Programa - 1674934 - TANIA MARIA DE ARAUJO LIMA
Notícia cadastrada em: 14/07/2017 17:10
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa11-producao.info.ufrn.br.sigaa11-producao