Banca de DEFESA: FRANKLIN COSTA DA SILVA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : FRANKLIN COSTA DA SILVA
DATA : 04/07/2017
HORA: 09:00
LOCAL: Auditório D do CCHLA
TÍTULO:

A sintaxe das formas dativas de segunda pessoa na escrita do Nordeste brasileiro do século XX: o percurso de uma mudança

 



PALAVRAS-CHAVES:

Sintaxe; Diacronia; Variação; Mudança; Dativos.


PÁGINAS: 110
RESUMO:

Na presente pesquisa, analisamos a sintaxe das formas dativas em contexto de segunda pessoa (singular e plural) em cartas privadas do Português Brasileiro (doravante PB), de três diferentes Estados do Nordeste, a saber, Rio Grande do Norte (RN), Pernambuco (PE) e Bahia (BA), correspondências redigidas no século XX. Constituem o nosso corpus exemplares compartilhados no site do corpus mínimo comum impresso do Projeto para a História do Português Brasileiro (PHPB). Subsidiaram nosso trabalho duas perspectivas teórico-metodológicas: a Teoria da Variação e Mudança (TVM) (cf. WEINREICH; LABOV; HERZOG, 2012 [1968], doravante WLH; LABOV, 2008 [1972]) e a Teoria dos Princípios e Parâmetros (P&P), da Teoria Gerativa, (cf. CHOMSKY, 1995). Dessa forma, conduzimos uma análise qualitativa e quantitativa, buscando mapear e explicar a seguinte variável linguística: as formas dativas de segunda pessoa do singular e do plural (P2 e P5) em português brasileiro. Assim como, suas variantes linguísticas concorrentes: diferentes possibilidades de realização que concorrem para P2 e para P5, a exemplo dos pronominais te/ti, vos/vós, lhe, da elipse (ᴓ), além dos pronomes você, vocês e tu precedidos das preposições a/para/prá/de/em. Dentre os demais objetivos que guiam nossa pesquisa, destacamos o seguinte: pesquisar se a relação gramatical de OI (complemento indireto (CI) – “verdadeiro objeto indireto”) ou de complemento oblíquo (CO) restringe ou favorece, respectivamente, a implementação das variantes linguísticas concorrentes dos pronomes dativos. Tomamos como hipótese que as formas variantes concorrentes não sofreriam influência da relação gramatical de OI ou de OBL. No entanto, essas relações gramaticais mostraram-se como um dos mais importantes condicionadores da variação entre as formas competidoras. Após identificarmos e caracterizarmos os 610 dados presentes nas cartas, submetemo-os a rodadas no progama GoldVarb, elecando 10 (dez) variáveis independentes, sociais e linguísticas, o que nos remeteu a algumas regras variáveis.   A análise dos dados, de forma geral, aponta para uma mudança em curso em favor das formas concorrentes do paradigma de você-tu preposicionados, passando antes pelas concorrentes lhe e a elipse (ᴓ), ficando as variantes da norma padrão Te/Ti restritas a contextos específicos, como comunicações envolvendo mais afetividade, mais informalidade.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 021.613.369-67 - MARCO ANTONIO MARTINS - UFSC
Externo à Instituição - IZETE LEHMKUHL COELHO - UFSC
Externo à Instituição - SILVIA REGINA DE OLIVEIRA CAVALCANTE - UFRJ
Notícia cadastrada em: 12/06/2017 10:31
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa14-producao.info.ufrn.br.sigaa14-producao