Banca de DEFESA: SUNAMITA SÂMELA SIMPLÍCIO DA SILVA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : SUNAMITA SÂMELA SIMPLÍCIO DA SILVA
DATA : 19/05/2017
HORA: 08:00
LOCAL: Auditório D do CCHLA
TÍTULO:

O USO DO COMPLEMENTO INDIRETO DE 3ª PESSOA DO ESPANHOL DE MONTEVIDÉU, URUGUAI: UM ESTUDO DIALETOLÓGICO.


PALAVRAS-CHAVES:

Dialetologia; Variação; Complemento Indireto; Língua espanhola


PÁGINAS: 107
RESUMO:

Tendo em vista os pressupostos teóricos e metodológicos da Dialetologia e utilizando-se os estudos de Coseriu (1982, 1986), Weinreich, Labov e Herzog, (2006); Tarallo (2007), GimenoMenéndez (1990), Chambers e Trudgill (1994), Montes Giraldo(1997), MiroslavValeš (2012), Rosa (2012), entre outros, esta dissertação tem por objetivo descrever o uso do complemento indireto de 3ª pessoa do espanhol de Montevidéu, capital do Uruguai, buscando identificar as variações e as suas variáveis linguísticas e sociais. Os dados foram obtidos através de 54 entrevistas sociolinguísticas semidirigidas que integram o corpus Proyecto para elestudiosociolingüísticodelespañol de España y de América (Preseea). São amostras organizadas segundo os fatores sociais: sexo – masculino e feminino; faixa etária - 1 (20-34 anos), 2 (34-54 anos) e 3 (mais de 55 anos); e escolaridade – fundamental, secundário e superior, utilizando, assim, três entrevistas para cada grupo/combinação de fatores. A estrutura das entrevistas é composta por temas como a saudação, o tempo, o lugar onde vive, a família e amizade, os costumes, perigo de morte, anedotas importantes na vida e desejo de melhoria econômica e resulta em dados da língua vernácula da comunidade de fala. Estudos anteriores sobre o uso do complemento indireto de 3ª pessoa na América (KENISTON, 1937, apud ALEZA, 2010; LAPESA, 1981; LOBATO, 1994, ÁLVAREZ & BARRÍOS, 1995 apud QUESADA PACHECO, 2002; ALLARCOS, 2006; COMPANY CAMPANY, 2006; ALCAINE, 2010; ALEZA IZQUIERDO, 2010; CAICEDE, 2011, GARCÍA, 2014) indicam as seguintes variações: (a) Uso etimológico dos pronomes átonos de 3ª pessoa, ou seja, le, les na função de CIND. Este sistema distinguidor de caso não ocorre em países que apresentem bilinguismo histórico; (b) Casos isolados de leísmo e laísmo em países sem bilinguismo histórico; (c) Uso de se los e se las no qual a marca de plural está presente no pronome átono na função de complemento direto, mas não aparece no complemento direto lexical, e sim, no complemento indireto. Portanto, há uma transferência da marca de plural do CIND lexical para o pronome átono de CDIR tendo em vista que o PA se não apresenta morfema de número. Esta variação está presente em todas as classes sociais; (d) Imobilização ou invariabilidade do pronome átono le usado na duplicação do CIND tanto para referentes que estão no singular quanto no plural; (e) Ausência da preposição a do sintagma de CIND que ocorre, geralmente, quando o complemento indireto lexical aparece em posição pré-verbal, sendo aceita na norma culta. Os resultados confirmam as variações já apresentadas pelos estudos anteriores, mas, também, indicam outras variações, a saber, a não concordância de número do CIND duplicado e a dupla omissão ou nulidade do CIND.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - CARLOS FELIPE DA CONCEIÇÃO PINTO - UFBA
Interno - 021.613.369-67 - MARCO ANTONIO MARTINS - UFSC
Presidente - 1298209 - SHIRLEY DE SOUSA PEREIRA
Notícia cadastrada em: 05/05/2017 17:04
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa09-producao.info.ufrn.br.sigaa09-producao