Banca de DEFESA: CIRO SOARES DOS SANTOS

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : CIRO SOARES DOS SANTOS
DATA : 29/03/2017
HORA: 14:00
LOCAL: Auditório C do CCHLA
TÍTULO:

A vertigem das antologias: Gregório de Matos


PALAVRAS-CHAVES:

Antologia. Recepção. Barroco. Gregório de Matos.


PÁGINAS: 240
RESUMO:

A vertigem das antologias: Gregório de Matos constitui-se como enumeração de seletas com listagem de capas, poemas, versos, notas, temas, datas, tomados como dados para sustentar a tese de que o poeta do barroco instaura-se como artista autor a partir do fazer antológico desde sempre. A simplicidade dessa assertiva mal esconde a complexidade de demonstrar, pois, que, do nascimento de seu discurso poético na colônia portuguesa à canonização na literatura brasileira, há um movimento histórico de leitura da obra de Gregório de Matos que se repete: a condução de um autor da imensidão inapreensível ao unitário parcial em livros; do que surgem ciclos de antologias segundo os quais são organizados os capítulos integrantes deste estudo. A abordagem à prática antológica enfrenta a problemática de descrever a história da instauração de Gregório de Matos como autor via recepção poética cristalizada por publicações de antologias. A pesquisa possibilita alcance do objetivo geral de compreender a recepção da obra do poeta baiano pela reflexão sobre diferentes concretizações de leitura promovidas-propiciadas por antologias. A partir da leitura do conjunto de livros selecionados, depois de coleta em livrarias e bibliotecas, apresenta considerações inferenciais sobre o fazer antológico da capa até aos demais paratextos. Para tanto, parte da questão geral de como é a recepção da obra do escritor baiano seiscentista, documentada por antologistas, e da hipótese geral de que a elaboração de edições da obra gregoriana foi condicionada pelos determinantes históricos de cada época da recepção. Para verificação dessa hipótese, observa a atualidade das antologias frente ao horizonte de leitura do legado gregoriano, propiciado pelo fazer poético de então quando do lançamento da publicação, assim como pelos atuais pressupostos teóricos de estudos das artes do século XVII. Esse procedimento surge por meio de diálogo com a fortuna crítica dedicada ao autor seiscentista, principalmente com a crítica de Haroldo de Campos e Augusto de Campos ao legado gregoriano, assim como com a ensaística de Francisco Ivan à poesia barroca, além da pesquisa de Adolfo Hansen e Marcello Moreira às letras coloniais. A vertigem das antologias reafirma a importância da história da literatura ao buscar fazer revisão do julgamento do legado poético em diferentes épocas, conforme mudem as circunstâncias sociais de cada tempo e a possibilidade de compreensão da obra de Gregório de Matos do romantismo ao modernismo, até a contemporaneidade. Francisco Adolfo de Varnhagen, Segismundo Spina, James Amado, Hélio Pólvora, Gilfrancisco, André Seffrin, Iuri Pereira, João Adolfo Hansen e Marcello Moreira são nomes de editores da poesia de Gregório de Matos, responsáveis por fazer existir ciclos antológicos e por projetar continuidade de ocorrência da prática antologista da poesia seiscentista para leitores brasileiros. 


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 350490 - ANTONIO FERNANDES DE MEDEIROS JUNIOR
Presidente - 346839 - FRANCISCO IVAN DA SILVA
Externo à Instituição - JOÃO BATISTA DE MORAIS NETO - IFRN
Externo à Instituição - KENNETH DAVID JACKSON - UMASS
Interno - 3546280 - SAMUEL ANDERSON DE OLIVEIRA LIMA
Notícia cadastrada em: 23/02/2017 18:05
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa13-producao.info.ufrn.br.sigaa13-producao