Banca de QUALIFICAÇÃO: ERINALDO DA SILVA SANTOS

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : ERINALDO DA SILVA SANTOS
DATA : 28/11/2016
HORA: 09:00
LOCAL: Auditório A - CCHLA
TÍTULO:

A MARCHA DAS VADIAS COMO RESPOSTA CARNAVALIZADA AO MACHISMO: IDENTIDADES DE GÊNERO EM CONSTRUÇÃO


PALAVRAS-CHAVES:

Linguagem. Práticas discursivas. Cultura. Identidades de gênero. Marcha das Vadias.


PÁGINAS: 83
RESUMO:

O objetivo deste estudo é investigar identidades das mulheres construídas a partir de discursos que circulam em panfletos de divulgação da Marchas das Vadias, movimento feminista que surgiu no ano de 2011 em Toronto no Canadá e que tem ganhado destaque mundial no combate a atos de violências praticados contra as mulheres. Na tentativa de combater o machismo, esse movimento busca desconstruir discursos que responsabilizam as vítimas pela violência a que são submetidas e, simultaneamente, constrói novos significados acerca das identidades femininas. Nesse sentido, no intuito de alcançar o objetivo dessa pesquisa, investigamos os posicionamentos valorativos presentes em 12 panfletos de divulgação da Marcha das Vadias, para a partir dos recursos linguístico-discursivos e semióticos utilizados identificar que identidades das mulheres são construídas. Para tanto, a pesquisa ora apresentada insere-se no campo dos estudos em Linguística Aplicada, estando ancorada em uma concepção sócio-histórica da linguagem, entendendo-a como uma prática discursiva constitutiva e constituinte da vida social (BAKHTIN, 2013 [1965], 2015 [1929]; BAKHTIN/VOLOSHINOV, 2010 [1929],). Ademais, estabelecemos interconexões com estudos sobre identidades de gênero (BUTLER, 2013; LOURO, 2010, 2015; MOITA LOPES, 2002, 2003) e com os Estudos Culturais (HALL, 2014; SILVA, 2014; WOODWARD, 2014), por estes entenderem as identidades como construções históricas, híbridas e descentradas, que são forjadas pelos sujeitos nas práticas sociais. Orientada por esses quadros teórico-metodológicos, a análise dos discursos revelou posicionamentos valorativos que constroem identidades de uma mulher livre, crítica, participativa, que problematiza a violência e questiona estereótipos de gênero ao se empoderar do próprio corpo. Constatou-se, ainda, que essas identidades buscam desconstruir discursos que responsabilizam as mulheres pelas violências de que são vítimas.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1168633 - MARILIA VARELLA BEZERRA DE FARIA
Interno - 1149420 - MARIA DA PENHA CASADO ALVES
Externo ao Programa - 1109053 - GILVANDO ALVES DE OLIVEIRA
Notícia cadastrada em: 07/11/2016 09:03
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa10-producao.info.ufrn.br.sigaa10-producao