Banca de QUALIFICAÇÃO: MARIA DO CÉU MENDES PAIXÃO

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: MARIA DO CÉU MENDES PAIXÃO
DATA: 08/04/2016
HORA: 15:00
LOCAL: Sala 4 da ECT
TÍTULO:

A construção do texto argumentativo no ensino fundamental e médio de escolas da Região do Trairi norte-rio-grandense


PALAVRAS-CHAVES:

 Palavras-chave: Argumentação. Escrita. Reescrita. Carta reivindicatória.


PÁGINAS: 60
GRANDE ÁREA: Lingüística, Letras e Artes
ÁREA: Lingüística
SUBÁREA: Lingüística Aplicada
RESUMO:

As discussões em torno do processo de ensino-aprendizagem de escrita estão em evidência, no Brasil, desde os anos de 1980. Mais recentemente, pesquisadores (PLATÃO e FIORIN, 1998; BRANDÃO, 2001; BARBOSA, 2005; KOCH, 2016) têm se dedicado a investir no trabalho didático com textos da ordem do argumentar – em especial, o artigo de opinião, a carta argumentativa, o debate. Isso se justifica pelo fato de a argumentação ser de grande valia para responder a demandas sociais cotidianas. Todavia, persiste um descompasso entre a pesquisa acadêmica e a ação escolar, posto que ainda predomina o ensino tradicional caracterizado pelo exercício mandatário da escrita, que se restringe à determinação de temas para a construção de redações, conforme vimos em Lopes (2014) e confirmamos na fase exploratória deste trabalho. Nesse sentido, vislumbrando contribuir com a reflexão em torno dessa temática, temos por objetivo geral desenvolver uma proposta de intervenção que focaliza a construção do texto argumentativo balizada na concepção de escrita como prática social. Disso decorrem quatro objetivos específicos: (i) descrever, em linhas gerais, aulas de escrita nas turmas participantes desta pesquisa (fase exploratória); (ii) analisar uma situação comunicativa de relevância social externa à sala de aula; (iii) mapear os elementos caracterizadores do processo de escrita que decorreu dessa situação comunicativa; (iv) analisar as implicações desse tipo de trabalho com a escrita e as ações desencadeadas por esse processo. Com o intuito de alcançarmos esses objetivos, fundamentamo-nos em um aporte teórico estruturado a partir da concepção dialógica da língua(gem) (BAKHTIN [1929] 2009), dos estudos de letramento (KLEIMAN, 1995; TINOCO, 2008), da teoria da argumentação (PERELMAN, 2005; MEYER, 2008; FIORIN, 2015; LIBERALI, 2015). Quanto ao aspecto metodológico, esta pesquisa se caracteriza como sendo de abordagem qualitativa (LÜDKE, 1986) e, mais especificamente, uma pesquisa de intervenção (PEREIRA, 2006), ancorada na Linguística Aplicada (MOITA LOPES, 2006, 2009). Os instrumentos de pesquisa utilizados foram: entrevistas, notas de campo, gravações audiovisuais. Os resultados preliminares da análise dos dados apontam para ressignificações significativas entre a aula de escrita tradicional e a aula de escrita que toma a prática social como eixo condutor de ações colaborativas entre professores, estudantes e agentes externos à sala de aula. Entre essas ressignificações, a mais importante parece ser a possibilidade de intervenção por escrito em um problema vivenciado pelascomunidades de aprendizagem (AFONSO, 2001) envolvidas nesta pesquisa. É devido a esse aspecto vivencial que os colaboradores encontram motivações reais para escrever e reescrever textos argumentativospara um interlocutor bem definido, com um objetivo social a ser alcançado. Essa prática demonstra que a escrita pode ser utilizada como instrumento de poder para a reivindicação de direitos sociais.
.

MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2087054 - GLICIA MARILI AZEVEDO DE MEDEIROS TINOCO
Externo ao Programa - 1929360 - ANA VIRGINIA LIMA DA SILVA ROCHA
Externo à Instituição - IVONEIDE BEZERRA DE ARAUJO SANTOS - IFRN
Notícia cadastrada em: 08/04/2016 09:05
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa15-producao.info.ufrn.br.sigaa15-producao