Banca de DEFESA: VANESSA FABÍOLA SILVA DE FARIA

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: VANESSA FABÍOLA SILVA DE FARIA
DATA: 14/12/2015
HORA: 09:00
LOCAL: Auditório D / CCHLA
TÍTULO:



 

MINHA VOZ, TUA VOZ, NOSSAS VOZES: A RESPONSABILIDADE ENUNCIATIVA EM ARTIGOS ACADÊMICOS/CIENTÍFICOS



PALAVRAS-CHAVES:

 

 

 

Responsabilidade Enunciativa; PDV; Posturas Enunciativas; Gênero Discursivo/Textual Artigo Científico



PÁGINAS: 220
GRANDE ÁREA: Lingüística, Letras e Artes
ÁREA: Lingüística
SUBÁREA: Teoria e Análise Lingüística
RESUMO:

 

“Minha voz, tua voz, nossas vozes: a responsabilidade enunciativa em artigos acadêmicos/científicos” apresenta os resultados da pesquisa cujo objetivo é investigar como se materializa a Responsabilidade Enunciativa (RE) em textos do gênero discursivo/textual acadêmico artigo científico, compreendendo as etapas de descrição, análise e interpretação de um conjunto de sessenta textos de autores de variados níveis de experiência, na esfera acadêmica, para responder à seguinte pergunta de pesquisa: quais as características da RE que diferenciaria a escrita de autores variados níveis de experiência na escrita acadêmica? O estudo da RE, nesses textos, restringiu-se à seção normalmente designada como Referencial Teórico (ou suas variantes “Quadro Teórico” e “Marco Teórico”) por se considerar que é nesta seção em que mais facilmente se detecta o diálogo com outras vozes. A mobilização do discurso outro, evidenciada, sobretudo, na não assunção da RE, é uma das características do artigo científico e desperta interesse por causa de sua inserção num campo mais amplo, o da polifonia, levantando questões muito pertinentes tanto para a análise de textos acadêmicos quanto para a didática da escrita desses textos descrevendo, por exemplo, como a voz autoral se posiciona perante outras vozes mobilizadas em seus textos, ou ainda sobre como  a RE pode evidenciar o posicionamento desses autores enquanto autores científicos. Trata-se de um estudo bibliográfico documental, de cunho interpretativista e qualitativo que elegeu três categorias de análise: as diferentes representações da fala, os indicadores de quadro mediador e as indicações de um suporte de percepção e pensamentos relatados. A perspectiva teórica deste trabalho se ancora, principalmente, nos postulados teóricos da ATD (Análise Textual dos Discursos), mas também mobiliza aportes teóricos de considerável importância advindos dos estudos dos gêneros discursivos/textuais bem como dos estudos enunciativo-discursivos, especialmente as considerações rabatelianas acerca das noções locutor/ enunciador, ponto de vista, PEC e imputação, apagamento enunciativo, posicionamentos e posturas enunciativas. Os resultados demonstram que a ocorrência de zonas textuais atribuídas a um outro enunciador (e2) não é exclusiva em textos de autores iniciantes, ocorrendo, também, em textos de autores experientes, embora a distribuição das ocorrências seja desigual nos textos estudados. Neste aspecto, contribuiu, efetivamente, a noção rabateliana de sobrenunciação, subenunciação e co-enunciação como aspectos de diferenciação na escrita de autores de diferentes níveis de experiência: a construção do PDV baseada na sobrenunciação parece predominar na escrita dos autores de reconhecida expertise, em que a voz autoral se sobrepõe às demais e domina o jogo enunciativo, a despeito do recurso a outras vozes, inclusive, por meio de indicadores de quadros mediadores. Tomando-se a responsabilidade enunciativa como decorrência de um fenômeno localizado num nível mais abrangente que o do enunciado, que engloba o texto como um todo e suas diversas operações enunciativas, admite-se, por conseguinte, a possibilidade de haver responsabilidade enunciativa mesmo diante de recursos às vozes alheias e o apoio em indicadores de quadro mediativo. A RE seria redimensionada para um comportamento discursivo ligado à ética e à moral que parece transcender a dimensão do enunciado e afeta o posicionamento do autor no nível discursivo, resultando em um texto mais engajado do que outros pareceriam, por meio de mecanismos de construção do PDV.



MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - CELIA MARIA MEDEIROS BARBOSA DA SILVA - UnP
Externo à Instituição - FRANCISCO ALVES FILHO - UFPI
Externo ao Programa - 349683 - JOSILETE ALVES MOREIRA DE AZEVEDO
Presidente - 349685 - MARIA DAS GRACAS SOARES RODRIGUES
Externo à Instituição - MARIA EDUARDA GIERING - Unisinos
Interno - 1673309 - SULEMI FABIANO CAMPOS
Notícia cadastrada em: 28/10/2015 11:09
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa28-producao.info.ufrn.br.sigaa28-producao