Banca de DEFESA: ADRIANA MORAIS JALES

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ADRIANA MORAIS JALES
DATA: 20/03/2015
HORA: 09:00
LOCAL: Auditório "D"
TÍTULO:

A (não) assunção da responsabilidade enunciativa em livros didáticos de língua portuguesa do 4º e 5º. anos


PALAVRAS-CHAVES:



Elos de responsabilidade enunciativa (RE); indução de (não) assunção da RE; compreensão de texto; livro didático de Língua Portuguesa


PÁGINAS: 233
GRANDE ÁREA: Lingüística, Letras e Artes
ÁREA: Lingüística
SUBÁREA: Teoria e Análise Lingüística
RESUMO:

O livro didático de Língua Portuguesa vem sendo o foco de muitas investigações, apesar disso, o tema ainda tem muito a ser discutido, refletido e ampliado. Essa convicção nos mobilizou a realizar essa investigação, buscando responder três perguntas: (1) Como o autor do livro didático induz o aluno a se posicionar em questões de compreensão de texto do livro didático de Língua Portuguesa? (2) Que elos enunciativos são usados pelo autor do livro didático em questões de compreensão do texto no que diz respeito à assunção da responsabilidade enunciativa? e (3) Que elos enunciativos são usados pelo autor do livro didático em questões de compreensão do texto no que diz respeito à não assunção da responsabilidade enunciativa? Nessa direção, estabelecemos como objetivos identificar, descrever, analisar e interpretar como se materializa em livros didáticos de Língua Portuguesa a (não) assunção da responsabilidade enunciativa. A temática encontra eco nas orientações dos Parâmetros Curriculares Nacionais – PCN (1998; 2001), que assumem que “toda educação comprometida com o exercício da cidadania precisa criar condições para que o aluno possa desenvolver sua competência discursiva” (BRASIL, 1998, p. 23). Essa assertiva dos PCN (1998; 2001) tem estreita relação com nosso objeto de pesquisa, tendo, pois, corroborado para a realização do estudo. Assim, analisamos questões de compreensão de texto elaboradas por autores dos livros didáticos de Língua Portuguesa do 4º e do 5º ano, trabalhados nas escolas públicas do município de Natal – RN, em 2010. Nossa ancoragem teórica circunscreve-se nos postulados da Análise Textual dos Discursos – ATD e da Linguística Enunciativa. Subsidiamo-nos, principalmente, em estudos de Adam (2011), Nølke (1994; 2001; 2006; 2009; 2012), Nølke, Fløttum e Norén (2004), Rabatel (2004; 2005; 2008; 2009), Guentchéva (1994; 1996). A análise dos dados revelou que autores de livros didáticos de Língua Portuguesa exploram a compreensão de texto, induzindo os alunos a responderem questões que podem ser, assim, categorizadas: (1) indução para a assunção da responsabilidade enunciativa, (2) indução para a não assunção da responsabilidade enunciativa, (3) orientação para o estudo do léxico e da gramática e (4) orientação de temas extras. Pelos resultados decorrentes da comparação entre os livros de 4º. e 5º. anos das duas coleções analisadas, observamos, através dos elos de (não) responsabilidade Nølke (1994; 2001; 2006; 2009; 2012), Nølke, Fløttum e Norén (2004), que em 79% das questões, os autores induzem a decodificação de um conteúdo objetivamente inscrito no texto. Nesse sentido, a noção de compreender um texto fica comprometida, uma vez que se limita à cópia de conteúdos ou exercícios de transcrição, deixando de contemplar o uso interativo da língua, ou melhor, deixando de ampliar o conhecimento do aluno na (re)construção dos sentidos do texto. Isso evidencia que ainda falta um trabalho com o texto que contemple os recursos textual-discursivos nas atividades de leitura nos livros didáticos de Língua Portuguesa. Evocamos, nessa direção, os trabalhos de Marcuschi (2005), Antunes (2003, 2005), Bunzen e Rojo (2008), entre outros autores que muito contribuíram para orientar a escolha de livros didáticos de Língua Portuguesa. Por fim, entendemos que o estudo sobre o fenômeno da responsabilidade enunciativa em livros didáticos de Língua Portguesa oferece, sobretudo, ferramentas para que os interlocutores identifiquem os elementos presentes na enunciação e os efeitos que esses elementos trazem para a (re)construção dos sentidos nos textos que eles leem e escrevem na sala de aula.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - GILTON SAMPAIO DE SOUSA - UERN
Interno - 349707 - LUIS ALVARO SGADARI PASSEGGI
Interno - 1149420 - MARIA DA PENHA CASADO ALVES
Presidente - 349685 - MARIA DAS GRACAS SOARES RODRIGUES
Interno - 348014 - MARISE ADRIANA MAMEDE GALVAO
Externo à Instituição - SUELI CRISTINA MARQUESI - PUC - SP
Notícia cadastrada em: 18/03/2015 16:56
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa12-producao.info.ufrn.br.sigaa12-producao