Banca de QUALIFICAÇÃO: KARINA DANTAS VILLAR RAMALHO

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: KARINA DANTAS VILLAR RAMALHO
DATA: 23/07/2014
HORA: 14:00
LOCAL: Auditório B - CCHLA
TÍTULO:

A CONSTRUÇÃO DO ETHOS NO DISCURSO LITERÁRIO: A IMAGEM DO LOUCO EM “CRÔNICA DA BANALIDADE”

 


PALAVRAS-CHAVES:

DISCURSO; ETHOS; LOUCO; CENAS DE ENUNCIAÇÃO; PROCEDIMENTOS DISCURSIVOS DE EXCLUSÃO.


PÁGINAS: 40
GRANDE ÁREA: Lingüística, Letras e Artes
ÁREA: Lingüística
SUBÁREA: Lingüística Aplicada
RESUMO:

Crônica da Banalidade é um romance do autor norte-rio-grandense Carlos de Souza, cuja publicação, em 1988, aborda o tema da loucura, assim como outros romances o fizeram naquele período (“Recomendações a todos”, de Alex Nascimento e “Dotô, casa comigo?”, de Ruben G. Nunes). Neste estudo, pretendemos analisar a construção do ethos de louco na obra de Carlos de Souza. O ethos, segundo a Análise do Discurso (MAINGUNEAU, 2002, 2010 e 2012), implica um trabalho de interpretação de marcas de caráter, que correspondem a uma gama de traços psicológicos, e  de corporalidade, que correspondem a uma constituição corporal, maneiras de se vestir e de se movimentar no ambiente social, mostradas por um enunciador, sugerindo uma imagem de si. Assim, a noção de ethos compreende um conjunto de determinações físicas e psíquicas ligadas pelas representações coletivas ao personagem do enunciador. “O caráter e a corporalidade do enunciador provêm de um conjunto difuso de representações sociais valorizadas ou não” (MAINGUENEAU, 2011). A imagem que o leitor constrói do enunciador emerge a partir de indícios textuais de diversas ordens, dessa forma, com base na seleção lexical operada em “Crônica da Banalidade”, pretendemos mostrar como a imagem do narrador-personagem “louco” se assenta na oposição loucura versus razão, reproduzindo o procedimento de segregação, típico das sociedades disciplinares (FOUCAULT, 2011), sociedades estas que selecionam, excluem e rejeitam os sujeitos que apresentam comportamentos ou discursos afastados da norma, exercendo, assim, um controle social e moral, simultaneamente. Para tanto, analisaremos a emergência desse ethos de “louco” a partir das "cenas de enunciação" (MAINGUENEAU, 2006) da referida obra de Carlos de Souza, observando os "procedimentos discursivos de exclusão" que a cenograifa do romance representa. Consideramos esse trabalho relevante para a consolidação de pesquisas em Análise do Discurso (AD), especialmente por trabalhar na interface entre a Linguística Aplicada e a Literatura, tendo em vista que o objeto teórico não é a língua, mas o discurso, sendo este último um lugar que articula língua, visões de mundo e subjetividade.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1476540 - CELLINA RODRIGUES MUNIZ
Interno - 047.613.914-72 - MARIA BERNADETE FERNANDES DE OLIVEIRA - UFRN
Externo ao Programa - 277306 - JOAO MARIA PAIVA PALHANO
Notícia cadastrada em: 21/07/2014 16:47
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa17-producao.info.ufrn.br.sigaa17-producao