Banca de QUALIFICAÇÃO: MARLY ROCHA MEDEIROS DE VARGAS

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: MARLY ROCHA MEDEIROS DE VARGAS
DATA: 17/12/2013
HORA: 14:00
LOCAL: Sala 303
TÍTULO:

Os possessivos de sengunda pessoa em cartas de leitores de jornais brasileiros dos séculos XIX e XX


PALAVRAS-CHAVES:

Português Brasileiro. Sociolinguística Variacionista. Séculos XIX e XX. Pronomes Possessivos. 


PÁGINAS: 70
GRANDE ÁREA: Lingüística, Letras e Artes
ÁREA: Lingüística
SUBÁREA: Sociolingüística e Dialetologia
RESUMO:

Com base nos pressupostos teórico-metodológicos da Teoria da Variação e Mudança (WEINREICH; LABOV; HERZOG, 2006), segundo a qual a heterogeneidade na/da língua lhe imprime um caráter intrínseca e eminentemente variável, objetiva-se, nesta dissertação, mostrar as variações no quadro de possessivos de segunda pessoa – singular e plural – em cartas de leitores de jornais brasileiros dos séculos XIX 1-2 e XX 1-2, extraídas do corpus mínimo comum  impresso do Projeto para a História do Português Brasileiro (PHPB). Parte-se do pressuposto de que as formas variantes resultam da diversidade de interações inerentes às comunidades de fala, estando vinculadas aos diferentes papéis sociais exercidos pelos falantes, cujos níveis se refletem em suas formas de utilização nos textos escritos. Nesse sentido, cumpre diagnosticar, descrever e analisar o processo de variação e mudança no quadro de possessivos de segunda pessoa – singular e plural – a partir das características linguísticas vigentes no processo de formação do Português Brasileiro (PB). Noutros termos, é verificar se já se faziam presentes, nas cartas, o uso de expressões linguísticas variantes no que respeita ao possessivo. As cartas de leitores, como unidades comunicativas consideradas em sua perspectiva diacrônica, reúnem elementos/traços denotadores de espaço e tempo condicionados e determinados por aspectos sócio-históricos e culturais compatíveis com estratégias de tratamento que invocam relações de poder, solidariedade, proximidade e ou distanciamento, expressando, portanto, relações simétricas e ou assimétricas entre locutor e interlocutor (BROWN E GILMAN, 1960; MARCOTULIO, 2010; LOPES, 2009). Para respaldar teoricamente o estudo, elegemos autores que têm pesquisado o sistema pronominal do/no PB, nos quais se inserem os possessivos, a exemplo de Faraco (2002), Lorengian-Penkal, Callou e Lopes (2004), Lopes e Duarte (2005); Menon (2005); Arduin e Coelho (2005); Duarte (2008); Lopes (2009); Görski e Coelho (2009) e Chaves (2011). Os resultados apontam para os diferentes usos dos possessivos de segunda pessoa nas cartas, registrando-se a coexistência das formas seu/sua na posição inovadora de segunda pessoa. Ainda que o uso conservador desse pronome nelas prevaleça, pode-se afirmar a constatação de marcas linguísticas denotadoras da formação do PB. 


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1717429 - MARCO ANTONIO MARTINS
Interno - 1451510 - MARIA ALICE TAVARES
Interno - 1298209 - SHIRLEY DE SOUSA PEREIRA
Externo à Instituição - LEONARDO LENNERTZ MARCOTULIO - UFRJ
Notícia cadastrada em: 06/12/2013 16:04
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa27-producao.info.ufrn.br.sigaa27-producao