PPGCF/EAJ/UFRN PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS FLORESTAIS ESCOLA AGRÍCOLA DE JUNDIAÍ Telefone/Ramal: (84) 99418-0909 http://www.posgraduacao.ufrn.br/cfl

Banca de DEFESA: RAIANE PEREIRA DE SALES

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : RAIANE PEREIRA DE SALES
DATA : 29/07/2020
HORA: 09:30
LOCAL: Sala virtual
TÍTULO:

ECOLOGIA POPULACIONAL, DIVERSIDADE GENÉTICA E MODELAGEM DE NICHO ECOLÓGICO DA Spondias tuberosa Arruda


PALAVRAS-CHAVES:

Umbu, Extrativismo, Caatinga, Adequação ambiental, Marcador molecular.


PÁGINAS: 101
RESUMO:

Spondias tuberosa (Anacardiaceae) é uma árvore nativa do Brasil com destacada relevância no extrativismo vegetal. De fato, nos últimos três anos a quantidade produzida na extração vegetal dos frutos e o valor da produção foram respectivamente de 23.777 toneladas e R$ 27 milhões. O objetivo deste estudo foi avaliar o padrão espacial, a biometria dos frutos, variações alométricas e a diversidade genética intrapopulacional, além de modelar áreas de adequabilidade ambiental para S. tuberosa em cenários de mudanças climáticas. Foi realizada a análise da diversidade genética de indivíduos adultos reprodutivos, por meio de marcadores moleculares de Inter Repetições de Sequências Simples (ISSR). O algoritmo de máxima entropia (Maxent) foi empregado na modelagem de nicho para o período presente e futuro, sendo testados dois cenários e quatro modelos de circulação geral da atmosfera. O padrão espacial foi agregado, com maior densidade de vizinhos (NDF) no raio de até 55 m. As correlações entre o diâmetro à altura do peito, altura total e área da copa foram positivas e significativas (P < 0,0001). Os frutos possuíam comprimento de 20,05 mm a 39,02 mm e diâmetro entre 17,73 mm e 35,48 mm, e a massa fresca com 11 g a 26,47 g. A massa fresca dos frutos e diásporos apresentaram os maiores valores de coeficiente de variação. A maior correlação foi entre a massa fresca dos frutos e o rendimento da polpa (rs = 0,99). O índice de diversidade genética de Nei foi de 0,37 (±0,07) e o índice de Shannon de 0,55 (±0,11). A análise bayesiana definiu quatro grupos genéticos distintos (K = 4). O estado da Bahia obteve a maior produção e comercialização dos frutos nos anos de 1994 a 2018. A variável bioclimática com maior porcentagem de contribuição para a adequabilidade de S. tuberosa foi a precipitação anual (75,3%). Conclui-se que a caracterização morfológica e genética contribui para a conservação da S. tuberosa, de modo que proporciona estratégias como seleção de genótipos para atividades tanto comerciais, a fim de fomentar o extrativismo e criação de bancos de germoplasma, tendo em vista sua importância socioeconômica. Verificou-se que a espécie teve um aumento das áreas de adequabilidade no domínio Caatinga no cenário otimista, especialmente no Rio Grande do Norte, norte da Bahia e região norte de Minas Gerais. Sugere-se que estas áreas tenham maiores focos em planos de manejo e conservação da espécie.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1715697 - FABIO DE ALMEIDA VIEIRA
Interna - 2326526 - TATIANE KELLY BARBOSA DE AZEVEDO CARNAVAL
Externo à Instituição - MURILO MALVEIRA BRANDÃO - UNIMONTES
Notícia cadastrada em: 22/07/2020 09:23
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2021 - UFRN - sigaa03-producao.info.ufrn.br.sigaa03-producao