Banca de QUALIFICAÇÃO: RAIANE PEREIRA DE SALES

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : RAIANE PEREIRA DE SALES
DATA : 17/03/2020
HORA: 10:00
LOCAL: CVT - EAJ/UFRN - Macaíba/RN
TÍTULO:

DIVERSIDADE GENÉTICA E MODELAGEM DE NICHO ECOLÓGICO DA Spondias tuberosa Arruda


PALAVRAS-CHAVES:

Umbu, Extrativismo, Caatinga, Adequação ambiental, Marcador molecular.


PÁGINAS: 77
RESUMO:

Spondias tuberosa é uma espécie endêmica do Brasil, conhecida popularmente como umbu, pertencente à família Anacardiaceae. Possui importância na economia por meio do extrativismo dos frutos, que são apreciados in natura, e pelos derivados como doces, compotas e cervejas. O objetivo deste estudo foi avaliar o padrão espacial, a biometria dos frutos, variações alométricas e a diversidade genética intrapopulacional, além de modelar áreas de adequabilidade ambiental para S. tuberosa em cenários de mudanças climáticas. O padrão espacial foi agregado, com maior densidade de vizinhos (NDF) no raio de até 55 m. Os frutos possuem comprimento de 20,05 mm a 39,02 mm e diâmetro entre 17,73 mm e 35,48 mm, e a massa fresca com 11 g a 26,47 g. Já os diásporos obtiveram médias de comprimento, diâmetro e espessura, de 19,27 mm, 13,95 mm, 11,14 mm e massa fresca com 2,28 g. A massa fresca apresentou o maior valor de coeficiente de variação. A maior correlação dos frutos foi entre a massa fresca e diâmetro (rs= 0,89). As correlações entre os parâmetros DAP, altura total e área da copa foram positivas e significativas (P < 0,0001). A análise genética de 23 indivíduos reprodutivos, por meio de dez iniciadores ISSR (Inter Repetições de Sequências Simples) revelou 103 locos. O número de alelos observados foi de 1,99 (±0,41), número de alelos efetivos 1,65 (±0,34), índice de diversidade de Nei 0,37 (±0,07) e o índice de Shannon de 0,55 (±0,11). A análise bayesiana definiu quatro grupos de genótipos distintos (K = 4), resultados que foram consistentes com o agrupamento UPGMA. Os resultados da quantidade extraída de frutos e do valor da produção demostraram que o estado da Bahia teve a maior quantidade produzida e comercializada durante os últimos dez anos. Na modelagem para o período presente a AUC foi de 0,94 e desvio padrão de ±0,01. A variável bioclimática com maior porcentagem de contribuição para a adequabilidade de S. tuberosae foi a precipitação anual (75,3%). Os resultados obtidos poderão auxiliar nas estratégias que visem a conservação, domesticação e melhoramento genético da espécie.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1715697 - FABIO DE ALMEIDA VIEIRA
Interna - 066.394.566-64 - CRISTIANE GOUVEA FAJARDO - UFRN
Externa ao Programa - 1099554 - WIARA DE ASSIS GOMES
Notícia cadastrada em: 08/03/2020 13:53
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2020 - UFRN - sigaa18-producao.info.ufrn.br.sigaa18-producao