Banca de QUALIFICAÇÃO: CYNTHIA PATRICIA DE SOUSA SANTOS

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : CYNTHIA PATRICIA DE SOUSA SANTOS
DATA : 31/10/2018
HORA: 11:00
LOCAL: Auditório do CVT - Escola Agrícola de Jundiaí
TÍTULO:

ESTOQUE DE ENERGIA DA MADEIRA DE ESPÉCIES FLORESTAIS DA CAATINGA E UTILIZAÇÃO NA QUEIMA DE CERÂMICA VERMELHA


PALAVRAS-CHAVES:

produção energética, biomassa, produtos cerâmicos.


PÁGINAS: 33
RESUMO:

O uso sustentável e a comercialização da madeira nativa com finalidade energética dependem da determinação da diferença entre a quantidade de energia produzida em áreas sob manejo florestal sustentável e o entendimento do desempenho desse combustível no principal setor que o consome no Rio Grande do Norte, a indústria de cerâmica vermelha. Dentro desse contexto, objetivou-se estudar a quantidade de energia da madeira estocada em três diferentes áreas sob manejo florestal sustentável no RN e a qualidade da madeira de Anacardium occidentale e Mimosa tenuiflora durante a queima de peças de cerâmica vermelha. Para o estudo do artigo 1 foram selecionadas com base no índice de valor de importância, 5 espécies florestais para a área I (Campo Grande), 6 para a área II (Cruzeta) e 12 para a área III (Touros) e, de cada espécie foram abatidas três árvores para obtenção de discos a 0, 25, 50, 75 e 100% da altura comercial da árvore. A partir disso determinou-se a densidade básica, o poder calorífico superior e o cálculo da energia estocada por espécie e por área. O experimento foi avaliado segundo o delineamento inteiramente casualizado, com fatorial de 5 x 6 x 12, com três repetições (árvores–amostra) em cada área. Para o artigo 2 foram utilizadas as madeiras de Anacardium occidentale e Mimosa tenuiflora durante a etapa de queima dos tijolos e para isso, adotou-se três tratamentos, a saber: (0JP) 100% Anacardium occidentale; (50JP) 50% Mimosa tenuiflora + 50% Anacardium occidentale; e (100JP) 100% Mimosa tenuiflora. Determinou-se o fator de empilhamento das madeiras de ambas as espécies, através da cubagem pelo método de Newton para determinação do consumo real de madeira (st) por tratamento e foi verificado o tempo total de queima e a qualidade do produto. Concluiu-se que há diferença na quantidade de energia estocada nas madeiras das espécies florestais estudadas, o que refletiu na produtividade de energia em cada área sob manejo estudada. Dessa maneira, a área III (Touros) destacou-se pelo maior potencial de produtividade de energia em virtude do maior número de espécies energéticas. Quanto ao desempenho da madeira das espécies utilizadas durante a queima dos tijolos, o tratamento 50CJP proporcionou redução no consumo do combustível, assim como maior porcentagem de peças cerâmicas de primeira qualidade.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - ANANIAS FRANCISCO DIAS JÚNIOR - UFES
Externo à Instituição - RENATO VINÍCIUS OLIVEIRA CASTRO - UFSJ
Presidente - 1880266 - ROSIMEIRE CAVALCANTE DOS SANTOS
Notícia cadastrada em: 15/10/2018 12:58
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2020 - UFRN - sigaa14-producao.info.ufrn.br.sigaa14-producao