PPGCF/EAJ/UFRN PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS FLORESTAIS ESCOLA AGRÍCOLA DE JUNDIAÍ Telefone/Ramal: (84) 99418-0909 http://www.posgraduacao.ufrn.br/cfl

Banca de QUALIFICAÇÃO: JULIANA SOARES DA SILVA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : JULIANA SOARES DA SILVA
DATA : 10/11/2016
HORA: 10:00
LOCAL: Escola Agrícola de Jundiaí - EAJ
TÍTULO:

CRESCIMENTO E DISTRIBUIÇÃO DE RAÍZES FINAS DE Acacia mangium E Mimosa caesalpiniifolia Benth. SUBMETIDAS A DOIS MÉTODOS DE CULTIVO DO SOLO


PALAVRAS-CHAVES:

Acacia mangium, Mimosa caesalpinifolia, raízes finas, silvicultura


PÁGINAS: 60
RESUMO:

O bioma Caatinga vem sendo explorado de forma acelerada nos últimos anos devido principalmente ao consumo de lenha nativa para fins domésticos e industriais. O conhecimento quanto à exportação e ciclagem de nutrientes, morfologia e química dos horizontes orgânicos, as relações do povoamento com o ambiente, a produção de biomassa tanto a cima como abaixo do solo, é necessário para entendermos o comportamento da espécie e suas inter-relações com os demais elementos naturais. Assim conhecer o sistema radicular, sobretudo o comportamento das raízes finas em diferentes condições, é importante para entender o comportamento fisiológico da parte aérea, principalmente no que diz respeito à nutrição mineral e ao balanço hídrico da árvore. A acácia (Acacia mangium) e o sabiá (Mimosa caesalpiniifolia) são espécies que se desenvolvem bem em solos pobres, apresentam rápido crescimento e são muito utilizadas na recuperação de áreas degradadas. Com isso, objetivou-se estudar o crescimento e a distribuição das raízes finas de acácia e de sabiá, submetidos a dois métodos de cultivo do solo. O delineamento experimental foi em blocos ao acaso, com dois métodos de culltivo (A= menos intensivo e B= mais intensivo) e quatro repetições considerando três posições (L- linha, E-entrelinha e D-diagonal) e três profundidades (0-20, 20-40, 40-60) de coleta. Em ambos os tratamentos e para ambas espécies, a maior densidade de raízes finas encontrou-se na camada superficial do solo (0 a 20 cm), tendendo a reduzir com a profundidade aos 12 meses de idade da acácia e do sabiá e aos 48 meses de idade da acácia. A adição de esterco bovino, superfosfato triplo, calcário e a realização dos sulcos favoreceram a produção e distribuição vertical de raízes finas para os primeiros 12 meses de idade em ambas as espécies, já aos 48 meses de idade da acácia o crescimento radicular foi semelhante nos dois métodos de cultivo tanto o mais intensivo como o menos intensivo.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1079298 - ALEXANDRE SANTOS PIMENTA
Interno - 1678080 - GUALTER GUENTHER COSTA DA SILVA
Externo ao Programa - 1841666 - ERMELINDA MARIA MOTA OLIVEIRA
Notícia cadastrada em: 31/10/2016 09:45
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2021 - UFRN - sigaa16-producao.info.ufrn.br.sigaa16-producao