Banca de QUALIFICAÇÃO: JOSE DENILSON DE PAULA ARAUJO

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: JOSE DENILSON DE PAULA ARAUJO
DATA: 02/12/2014
HORA: 09:00
LOCAL: Sala 02 - Prédio da Pós-graduação UAECA
TÍTULO:

EFEITO DOS ESTRESSES HÍDRICO E TÉRMICO SOBRE PLÂNTULAS DE PINHÃO-MANSO (Jatropha curcas L.)


PALAVRAS-CHAVES:

Déficit hídrico; pinhão manso; solutos orgânicos.


PÁGINAS: 21
GRANDE ÁREA: Ciências Agrárias
ÁREA: Recursos Florestais e Engenharia Florestal
SUBÁREA: Silvicultura
ESPECIALIDADE: Fisiologia Florestal
RESUMO:

Biocombustíveis são um foco de discussão, ao que se trata de energias renováveis. Quanto a esse ponto, atualmente discutisse a utilização de zonas áridas para produção de biocombustíveis derivados de espécies oleaginosas resistentes às condições de aridez. A Jatropha curcas L. tem sido indicada como uma espécie potencial para esse tipo de utilização, apontada pela literatura como resistente em condições desfavoráveis: seca e salinidade. Todavia, pouco é descrito sobre sua resistência a altas temperaturas e secas severas, principalmente sobre a sinergia de estresses combinados, cenário típico de regiões semiáridas. Este trabalho visa portanto avaliar os efeitos da temperatura sobre a J. curcas em condições de seca. O estresse hídrico foi aplicado utilizando duas concentrações de PEG6000 diluídas em solução hidropônica, induzindo potencial hídrico de -0,3 e -0,7 MPa. Já o estresse térmico foi conduzido em B.O.D. à 40ºC. Após aplicação dos estresses, o material vegetal foi coletado para avaliação dos indicadores de estresse como conteúdo relativo de água (CRA) e dano de membrana (DM), além das determinações bioquímicas de proteínas, aminoácidos totais (AALT), prolina (PRO) e glicina betaína (GB), açúcares solúveis totais (AST) e amido. Os resultados mostraram que o CRA pouco se altera, em condições de estresse e DM foi menor sob estresse térmico. Os solutos AALT, PRO e amido tiveram concentrações mais significativas em folhas, enquanto que proteínas, GB e AST foram mais significativas nas raízes. Quanto à observação dos efeitos provocados pelo estresse hídrico, este trabalho fez comparações a resultados semelhantes obtidos em outros estudos, reforçando afirmações sobre a eficiência das respostas da J. curcas em condições de seca. Todavia as plantas se mostraram mais susceptíveis ao estresse térmico, embora, quando em estresses combinados as respostas tenderam ao aumento em comparação ao estresse térmico isolado. No geral, estes resultados abrem espaço para que novos estudos sejam realizados a fim de testar os efeitos dos estresses combinados sobre a J. curcas e quais respostas a planta pode apresentara sob estas condições.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2294466 - CRISTIANE ELIZABETH COSTA DE MACEDO
Interno - 1715697 - FABIO DE ALMEIDA VIEIRA
Interno - 1605704 - SIDNEY CARLOS PRAXEDES
Externo à Instituição - YURI LIMA MELO - UFERSA
Notícia cadastrada em: 21/11/2014 11:47
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2020 - UFRN - sigaa08-producao.info.ufrn.br.sigaa08-producao