Banca de DEFESA: KARLLA DANIELLE JORGE AMORIM

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : KARLLA DANIELLE JORGE AMORIM
DATA : 13/03/2020
HORA: 09:00
LOCAL: Sala de Reuniões do Centro de Biociências
TÍTULO:

Diversificação citogenômica em Serranidae (Perciformes), um modelo de estase cariotípica: Aspectos evolutivos e aplicados


PALAVRAS-CHAVES:

Garoupas, evolução cariotípica, hibridização interespecífica, DNA repetitivo, estase cariotípica


PÁGINAS: 99
RESUMO:

A família Serranidae, cujos representantes são conhecidos como garoupas, constitui um dos mais diversos grupos de peixes em ambientes recifais. São predadores eficientes que podem ocupar desde poças de maré a recifes profundos. Algumas espécies podem alcançar porte considerável e, em geral, significativo valor econômico. Com distribuição circunglobal, o grupo é composto por 577 espécies, distribuídas em 75 gêneros, dos quais Epinephelus é o mais representativo. Apesar do crescente conjunto de informações genéticas, menos de 10% das espécies apresentam aspectos citogenéticos conhecidos. Abordagens citogenéticas para a família se mostram dissociadas quanto aos seus aspectos filogenéticos, geográficos e taxonômicos, limitando a compreensão de seus aspectos evolutivos e aplicados ao manejo. Assim, visando uma estimativa mais ampla da evolução cromossômica desta família e obtenção de dados aplicados ao manejo, foram realizadas análises citogenéticas convencionais e mapeamento por hibridização in situ fluorescente das sequências DNAr 18S, DNAr 5S, elementos transponíveis Tol2 e Rex3, microssatélites (CA)15, (GA)15, (CAA)10 e (CGG)10, e sequências teloméricas (TTAGGG)n, nas espécies Epinephelus coioides, E. sexfasciatus, E. erythrurus, E. tauvina, E. coeruleopunctatus, E. adscensionis, E. itajara, E. striatus, Cephalopholis formosa, C. fulva e Rypticus saponaceus. Todas as espécies apresentaram 2n=48, das quais apenas três possuem cariótipos não compostos exclusivamente por elementos acrocêntricos. O conservadorismo cariotípico, apenas perturbado por inversões pericêntricas, se estende à organização do DNA repetitivo, onde sítios DNAr 18S e 5S refletem um baixo dinamismo evolutivo, aliado a arranjos das demais sequências repetitivas essencialmente similares. A divergência citogenética e genômica entre espécies decorrente de ancestralidade comum ocorrida em períodos entre 15 a 11 M.a aparentemente proporciona reduzido nível de bloqueio reprodutivo pós-zigótico, com valiosas implicações para a hibridização induzida na aquicultura. Sob perspectiva biogeográfica e filogenética, os grupos mais basais do Atlântico apontam 2n=48a como o padrão ancestral para a família, indica que a especiação no grupo não foi seguida por modificações cariotípicas significantes e a despeito de uma relativa frequência de cariótipos divergentes, esse grupo de peixes se adequa a um padrão evolutivo de estase cariotípica.  


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - CLÓVIS COUTINHO DA MOTTA NETO - SGB
Externo à Instituição - LUIZ ANTONIO CARLOS BERTOLLO - UFSCAR
Externo à Instituição - MARCELO DE BELLO CIOFFI - UFSCAR
Externo à Instituição - PAULO AUGUSTO DE LIMA FILHO - IFRN
Presidente - 1199139 - WAGNER FRANCO MOLINA
Notícia cadastrada em: 27/02/2020 12:54
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2023 - UFRN - sigaa28-producao.info.ufrn.br.sigaa28-producao