Banca de DEFESA: HELDER JOSÉ FARIAS DA SILVA

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : HELDER JOSÉ FARIAS DA SILVA
DATA : 28/02/2019
HORA: 14:30
LOCAL: Auditório CCET
TÍTULO:

 

Análise dos efeitos do desmatamento na evapotranspiração e na microfísica das nuvens utilizando dados de sensoriamento remoto para a Amazônia.



PALAVRAS-CHAVES:

MOD16, TRMM, Regressão Logística, Biosfera


PÁGINAS: 100
RESUMO:

O objetivo desta pesquisa foi de analisar os parâmetros microfisicos da nuvem e a dinâmica
espaço/temporal da evapotranspiração (ET) inserida na região da Amazônia brasileira, baseado em
dados espectrais extraídos de sensores orbitais. A fim de gerar estatísticas comparativas desses
componentes em regiões de floresta e não floresta da Amazônia Brasileira considerando o nível
atual do desmatamento. A área de estudo compreendeu o estado de Rondônia, Brasil. Como
metodologia realizou-se, primeiramente, as analises nos campos de ET. Onde a área de estudo foi
sub-dividida em regiões homogêneas de ET utilizando a técnica estatística de Análise de
Agrupamento. Adicionalmente, buscou-se analisar o uso de um modelo de regressão logística para
criar mapas de desmatamento na Amazônia com base nos campos de ET. Foram utilizados dados
orbitais de ET e de tipo de cobertura da terra oriundos do produto MOD16 e do projeto de
Monitoramento da Floresta Amazônica por Satélite - PRODES, respectivamente, considerando
dados mensais do período de 2000 a 2014. Para as analises dos parâmetros microfisicos os dados
foram extraídos dos sensores Microwave Imager – TMI e do Precipitation Radar - PR dos produtos
2A-CLIM e 2A25, respectivamente. Do TMI os parâmetros considerados foram: Conteúdo
integrado de água de chuva – do inglês, Rain Water Path – RWP, Conteúdo integrado de gelo – do
inglês, Cloud Water Path – IWP, Precipitação convectiva – do inglês, Convective Precipitation –
CP, Taxa de precipitação em superfície – do inglês, Surface Precipitation – SP e Precipitação
Congelada em superfície – do inglês, Frozen Precipitation – FP, já os parâmetros do 2A25 foram:
Nível de Congelamento – do inglês, Freezing Height – FH e Tipo de Chuva – do inglês, Rain Type
– RT. Dados de relevo, do Shuttle Radar Topographic Mission – SRTM foram utilizados para
complementar as análises a fim de verificar a influencia da topografia com os parâmetros
microfísicos e, assim considerar um limiar de elevação para as analises comparativas para evitar
viesses oriundos dessa variável. Na seqüência, foram realizadas todas as operações de cálculos e
testes estatísticos, bem como construção de histogramas, gráficos e tabelas comparativas utilizando
o programa estatístico R. Os resultados mostraram com relação a ET, de acordo com a análise de
agrupamento, que para a área de estudo três sub-regiões homogêneas foram suficientes para
representar a variabilidade da ET às quais foram obtidas considerando, principalmente, a
intensidade e padrão sazonal desse processo. Quando aos impactos após mudar de uma superfície
de floresta para desmatada as análises indicaram que a ET de áreas desmatadas diminui em média
28% no período seco e aumenta ~4% no período chuvoso. As diferenças observadas na estação
chuvosa não foram significativas a 5% de significância de acordo com o teste T de Student. Ao
contrário da estação seca, que apresentou significância estatística (valor-p <0,05). Em geral, os
resultados sugerem que os dados do MOD16 podem fornecer uma representação satisfatória da
mudança da ET para grandes áreas da Amazônia brasileira. A análise de regressão logística mostrou
que o padrão espacial do desmatamento pode ser identificado por fatores biofísicos como a ET com
precisão de 87%, desde que mantidas as condições climáticas médias do meio ambiente, mostrando-
se uma variável promissora para identificação de tendências futuras do desmatamento em regiões
tropicais. Em relação às analises dos parâmetros microfisicos de nuvem os resultados demonstram
que, em geral, o relevo local influencia nos parâmetros microfisicos sendo mais pronunciado a
partir de 721 metros de altitude. Nossas analises também indicaram que o nível do desmatamento
local produziu aumentos significativos nos parâmetros RWP e IWP de 11 e 13% (valor-p<0,05),
respectivamente, e reduções para os parâmetros CP, SP e FP que variaram entre 7,9, a 9,2% (p-
valor<0,05). Mudanças para FH e TP não foram significativas, estatisticamente, porém ligeiro
aumento para FH e maior freqüência de chuvas convectivas em áreas desmatadas foram observadas.
Isto sugere que a estrutura microfisica da nuvem se apresenta com características distintas quando
relacionadas a áreas de florestas e desmatadas.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1164414 - WEBER ANDRADE GONCALVES
Interno - 2086472 - BERGSON GUEDES BEZERRA
Interno - 1280761 - CRISTIANO PRESTRELO DE OLIVEIRA
Externo à Instituição - HELBER BARROS GOMES - UFAL
Externo à Instituição - MADSON TAVARES SILVA - UFCG
Notícia cadastrada em: 11/02/2019 15:22
SIGAA | Superintendência de Informática - (84) 3215-3148 | Copyright © 2006-2019 - UFRN - sigaa03-producao.info.ufrn.br.sigaa03-producao