Banca de DEFESA: GLAYSON FRANCISCO BEZERRA DAS CHAGAS

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : GLAYSON FRANCISCO BEZERRA DAS CHAGAS
DATA : 12/12/2018
HORA: 14:00
LOCAL: ANFITEATRO A DO CCET
TÍTULO:

ESTUDO HIDROMETEOROLÓGICO SOBRE A BACIA AMAZÔNICA ATRAVÉS DE MODELAGEM DINÂMICA E ESTOCÁSTICA


PALAVRAS-CHAVES:

Desmatamento. Amazônia. ARIMA. SPEI. RegCM4. Wavelet.


PÁGINAS: 150
RESUMO:

O objetivo deste projeto foi estudar aspectos hidrometeorológicos (precipitação e evapotranspiração) em diferentes regiões na Amazônia com diferentes níveis de desmatamento. Para isso foram usados os dados de chuvas do Climate Prediction Center
(CPC) com frequência mensal e cobertura espacial de 0,25º de latitude por 0,25º de longitude (300 x 120 pontos de grade) e compreendem o período climatológico de 1981 a 2010 para as regiões Norte, Leste e Sul da Amazônia. Também foram utilizadas informações do índice de severidade de seca (Standardised Precipitation Evapotranspiration Index – SPEI) nas escalas mensal (SPEI-1) e anual (SPEI-12) com o intuito de analisar a variabilidade e identificar a severidade da seca, para o mesmo período climatológico da precipitação para cada região do estudo. A metodologia consistiu em usar resultados de modelos estocásticos do tipo Auto Regressivo Integrado a Médias Móveis (ARIMA), a partir do qual foi possível fazer análise da variável-alvo dependente (precipitação) como função do tempo em cada região. Além disso, realizou-se uma simulação climatológica (1981-2010) para a América do Sul Tropical a partir do RegCM4, usando o esquema de parametrização Grell. A partir da precipitação e temperatura do modelo foram geradas séries climatológicas de SPEI-1 e SPEI-12 para as regiões, dessa forma foi possível fazer análises comparativas entre observação e modelo. Adicionalmente, analisou-se o Índice de Oscilação Sul (SOI) a fim de estabelecer uma relação entre as forçantes de grande escala oceânicas (notadamente o ENOS) e a resposta hidrometeorológica sobre as regiões estudadas. Para a análise da escala temporal da variabilidade dominante para as estas variáveis, foi aplicada a metodologia da Transformada de Wavelet (TW). Os resultados apontaram maior variabilidade nas chuvas na região Leste onde ocorre um acentuado avanço do desmatamento, o qual faz parte do arco do desmatamento e também na região Sul, onde o desmatamento já encontra-se bem estabelecido. Enquanto que para a região Norte o padrão se manteve sem grande variabilidade. O modelo ARIMA (ou Box-Jenkins) apresentou-se adequado, com bom ajuste para precipitação mensal para as regiões do estudo. Com relação ao RegCM4, este subestimou a precipitação para toda a série climatológica de todas as regiões, entretanto foi capaz de
representar adequadamente a variabilidade da climatologia, tanto para a precipitação quanto para o SPEI, principalmente na escala temporal anual (SPEI-12). Assim como, esteve bem ajustado em identificar condições de seca de severidade moderada, principalmente para as regiões Norte e Leste.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1752417 - CLAUDIO MOISES SANTOS E SILVA
Interno - 1346630 - LARA DE MELO BARBOSA ANDRADE
Interno - 320597 - PAULO SERGIO LUCIO
Externo à Instituição - ALINE GOMES DA SILVA - IFRN
Externo à Instituição - ANA CLEIDE BEZERRA AMORIM - CAPES
Notícia cadastrada em: 04/12/2018 10:51
SIGAA | Superintendência de Informática - (84) 3215-3148 | Copyright © 2006-2019 - UFRN - sigaa03-producao.info.ufrn.br.sigaa03-producao