Banca de QUALIFICAÇÃO: LOURDES MILAGROS MENDOZA VILLAVICENCIO

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : LOURDES MILAGROS MENDOZA VILLAVICENCIO
DATA : 07/08/2018
HORA: 08:00
LOCAL: AUDITORIO DA CCET
TÍTULO:

RETROCESSO DOS GLACIAIS E CONTRIBUIÇÃO HIDRICA NA CORDILHEIRA VILCANOTA DO PERU


PALAVRAS-CHAVES:

Glaciais Tropicais, Sensoriamento Remoto, SWAT


PÁGINAS: 94
RESUMO:

Na atualidade reconhece-se que o derretimento dos glaciais tropicais é um problema
enfrentado na America do Sul, decorrente da rápida resposta dos glaciais às alterações
climáticas observadas nas últimas décadas. No Peru, encontra-se a cordilheira Vilcanota,
sendo a cordilheira mais importante da região Sul do Peru, uma vez que nessa área localiza-se
a maior calota de gelo tropical da terra (Quelccaya). O recurso hídrico que nasce na
Cordilheira do Vilcanota provêm de água do vale do rio Urubamba, sendo de grande
importância por desenvolver uma agricultura intensiva, além do que, no curso do rio
Urubamba encontra-se a hidroelétrica de Machupicchu, importante fornecedora de energia da
região. Nesse sentido, o objetivo deste trabalho é mensurar a contribuição hídrica dos glaciais
na cordilheira Vilcanota localizado no Peru e identificando possíveis mudanças nas condições
de cobertura de gelo. Para o presente estudo, consideram-se imagens obtidas por
sensoriamento remoto nos últimos 30 anos, cobrindo o período entre 1984 e 2016, com o
intuito de quantificar a área dos glaciais, para isso, utilizaremos o algoritmo de Naive Bayes.
Como próximo passo, utilizaremos o Modelo Soil and Water Assessment Tool (SWAT), com
qual se objetiva estimar a vazão proveniente do degelo da bacia hidrográfica do Vilcanota.
Como resultados iniciais, identificou-se um retrocesso no conjunto de glaciais pertencentes à
cordilheira Vilcanota, incluindo a calota de gelo Quelccaya. Na qual entre os anos de 1985 e
2016 a cobertura de gelo apresentou uma perda de 61,61 km2.. Por outro lado, observando a
calota do Quelccaya, os resultados indicaram que no mesmo período, ocorreu uma perda de
15,31 km2 de cobertura de gelo na calota. Além disso foi constatado que a região com menor
elevação (<5000 metros ) contribuiu com a maior perda da cobertura de gelo, enquanto que a
área com maior elevação (>5300 metros.) apresentou estabilidade ou ligeiro aumento na
cobertura de gelo durante o período em analise. Um estudo com essas abordagens nos
glaciais, permitirão um acompanhamento mais preciso nas alterações dos mesmos, tornandose
uma informação valiosa para a comunidade da região e auxiliar na tomada de decisões.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 1858120 - DAVID MENDES
Interno - 2411669 - JONATHAN MOTA DA SILVA
Interno - 1346630 - LARA DE MELO BARBOSA ANDRADE
Interno - 1164414 - WEBER ANDRADE GONCALVES
Notícia cadastrada em: 30/07/2018 15:18
SIGAA | Superintendência de Informática - (84) 3215-3148 | Copyright © 2006-2019 - UFRN - sigaa07-producao.info.ufrn.br.sigaa07-producao