Banca de QUALIFICAÇÃO: EMERSON DAMASCENO DE OLIVEIRA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : EMERSON DAMASCENO DE OLIVEIRA
DATA : 20/02/2017
HORA: 08:00
LOCAL: Auditório do CCET
TÍTULO:

A TEORIA DOS RAIOS CÓSMICOS GALÁCTICOS APLICADA A UM MODELO CLIMÁTICO SIMPLIFICADO


PALAVRAS-CHAVES:

Temperatura, Albedo, Raios Cósmicos Galácticos, Nuvens, GREB.


PÁGINAS: 61
RESUMO:

Neste trabalho foi simulada uma reconstrução climática entre os anos de 1640 e 1995, onde o propósito foi testar o papel da teoria dos Raios Cósmicos Galácticos (RCGs) (forçante natural) em contraste com a variação da concentração de Dióxido de Carbono (forçante antropogênica). Para realizar as simulações foi adotado um modelo climático simplificado, o GREB model, cuja principal variável de saída é a temperatura do ar na superfície. A representação do efeito da teoria dos RCGs no código do modelo se deu através da implementação de uma nova parametrização, onde variações forçadas na cobertura de nuvens são provocadas e, consequentemente, perturbam o albedo atmosférico. A fim de testar a sensibilidade do modelo à nova parametrização, foram criados mais dois experimentos (EXP17 e EXP18), onde a reconstrução climática se dá com o CO2 constante e a cobertura de nuvens variando (EXP17) e com o CO2 variando simultaneamente com a cobertura de nuvens (EXP18). No entanto, o EXP12, padrão do modelo GREB, também foi adotado a fim de evidenciar o efeito isolado do CO2 sobre a reconstrução climática, cabe ressaltar que foi inserido para o modelo uma série de CO2 entre 1560 e 1995. Antes de realizar as simulações foi necessário fazer um estudo relacionando diferentes espécies de nuvens com o fluxo de RCGs, pois a parametrização depende de um parâmetro de entrada, a variação percentual da cobertura de nuvens, que é determinante às simulações. Logo, foi identificado inicialmente neste estudo que a espécie Stratus e seus derivados apresentaram uma boa correlação com os RCGs, também foi verificada uma boa correlação com as nuvens de convecção profunda. Os resultados preliminares sugerem que os experimentos EXP12 e EXP17 apresentam comportamento similar, com exceção da segunda metade do século XX, onde o EXP17 indica que a temperatura do ar na superfície tende a diminuir, enquanto no EXP12 a temperatura segue uma tendência de aumento. Mas foi no EXP18 onde se obteve melhores resultados, a temperatura reconstruída neste experimento apresentou uma correlação alta com a anomalia de temperatura do ar anual entre os anos de 1880 e 1995. Não obstante, quando comparamos a temperatura reconstruída através da nova versão do modelo GREB, com a temperatura reconstruída devido a núcleos de gelo, verifica-se também que foi o EXP18 que apresentou os melhores resultados, indicando haver conformidade entre as temperaturas durante os mínimos de Maunder e Dalton, e, também, durante o aquecimento moderno, isto, para as duas séries (simulada e por núcleos de gelo). Pretende-se ainda nesta pesquisa, realizar novas reconstruções, inserindo nos experimentos o efeito arrefecedor das erupções vulcânicas, além de simular cenários futuros a fim de analisar como se daria o balanço entre a forçante natural e a antropogênica em confronto com os resultados dos modelos do IPCC.

 


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1808127 - JOSE HENRIQUE FERNANDEZ
Interno - 1858120 - DAVID MENDES
Interno - 1879213 - JUDITH JOHANNA HOELZEMANN
Interno - 350691 - MARIA HELENA CONSTANTINO SPYRIDES
Interno - 1164414 - WEBER ANDRADE GONCALVES
Notícia cadastrada em: 14/02/2017 11:07
SIGAA | Superintendência de Informática - (84) 3215-3148 | Copyright © 2006-2019 - UFRN - sigaa03-producao.info.ufrn.br.sigaa03-producao