Banca de QUALIFICAÇÃO: LÍVIAN RAFAELY DE SANTANA GOMES

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: LÍVIAN RAFAELY DE SANTANA GOMES
DATA: 09/03/2016
HORA: 09:00
LOCAL: Sala de Seminários de Estatística
TÍTULO:
MODELAGEM NUMÉRICA DA INCIDÊNCIA DE ONDAS MARÍTIMAS E DO GALGAMENTO DE ESTRUTURAS NA
PRAIA DE PONTA NEGRA, NATAL/RN

PALAVRAS-CHAVES:
Ondas Oceânicas de Gravidade; Hidrodinâmica Costeira; Simulação
Numérica; Wavewatch III; SWAN; HIDRALERTA; Praia de Ponta Negra

PÁGINAS: 66
GRANDE ÁREA: Ciências Exatas e da Terra
ÁREA: Geociências
SUBÁREA: Geologia
ESPECIALIDADE: Geologia Ambiental
RESUMO:
Ondas marítimas de gravidade fornecem energia a processos de modelamento das
feições morfológicas costeiras rasas. Ao longo do Litoral do Rio Grande do Norte, vêm
ocorrendo picos de erosão em praias arenosas, afetando comunidades ribeirinhas,
atividade pesqueira, indústrias salineira e petrolífera, segmentos turísticos e imobiliários.
O monitoramento de parâmetros meteoceanográficos é importante para a gestão
eficiente do espaço costeiro. Neste trabalho, foram utilizadas técnicas de simulação
numérica com modelo SWAN, desenvolvido pela Universidade Tecnológica de Delft,
para averiguar o regime de ondas que incidiu no Litoral Oriental do Rio Grande do Norte,
especialmente na praia de Ponta Negra, durante o ano de 2012. Para condições iniciais
e de contorno, em mar aberto, foram utilizadas informações de altura significativa,
período médio e direção de propagação de ondas oriundas da base Wavewatch III. O
SWAN foi operado por intermédio da interface computacional SOPRO, desenvolvida por
equipe do Laboratório Nacional de Engenharia Civil de Portugal (LNEC). O leito foi
representado pela batimetria das cartas náuticas 810 e 22100 da Marinha do Brasil; o
nível de água proveio dos dados de maré do Porto de Natal. Observou-se que durante
os meses de outono e inverno de 2012, incidiram ondas maiores e mais rápidas,
especialmente no trecho do litoral ao sul de Natal, vindas de sudeste, com período
médio de 7,0 s, entrando no domínio geográfico da modelagem com aproximadamente
2,0 m de altura e atingindo a plataforma continental rasa com 1,55 m. Durante o verão e
a primavera, as ondas apresentaram média de 1,26 m e 1,40 m de altura,
respectivamente, com direção de propagação de leste e leste-nordeste, períodos de 7,6
a 8,2 s. Na praia de Ponta Negra, as ondas apresentaram média de 0,76 m de altura e
período de 6,8 s, na sua porção mais linear, durante o inverno de 2012. Em etapas
futuras, a representatividade dos dados Wavewatch III será avaliada, através de
comparação com registros da boia ondógrafa de Recife, do Programa Nacional de Boias
(PNBOIA). Além disso, a simulação com SWAN será estendida até o ano de 2014 e os
resultados alimentarão o cálculo da cota de inundação e galgamento das ondas
marítimas sobre estruturas de engenharia na Praia de Ponta Negra, a serem realizados
com o modelo HIDRALERTA (LNEC), antes e depois da instalação do enrocamento –
que ocorreu entre 2013 e 2014 –, com intuito de indicar seus efeitos na morfodinâmica
da praia de Ponta Negra.

MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 350691 - MARIA HELENA CONSTANTINO SPYRIDES
Externo ao Programa - 348087 - GRACO AURELIO CAMARA DE MELO VIANA
Externo ao Programa - 350698 - VENERANDO EUSTAQUIO AMARO
Notícia cadastrada em: 26/02/2016 12:48
SIGAA | Superintendência de Informática - (84) 3215-3148 | Copyright © 2006-2019 - UFRN - sigaa09-producao.info.ufrn.br.sigaa09-producao