Banca de DEFESA: RÊNIO LEITE DE ANDRADE

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: RÊNIO LEITE DE ANDRADE
DATA: 03/06/2015
HORA: 09:00
LOCAL: Anfiteatro A do CCET
TÍTULO:

Dinâmica do microclima e fluxo de calor sensível armazenado no dossel vegetativo da caatinga no semiárido do Brasil.


PALAVRAS-CHAVES:

Fluxo de energia; Micrometeorologia; Temperatura do dossel.


PÁGINAS: 87
GRANDE ÁREA: Ciências Exatas e da Terra
ÁREA: Geociências
RESUMO:

No presente trabalho, utilizaram-se dados do Experimento Cariri coletados em região de caatinga nativa no município de São João do Cariri estado da Paraíba nas coordenadas de 7º22'45,1"S e 36º31'47,2"W com altitude de 458 m. As medidas microclimáticas foram realizadas em duas épocas, nos período de 01 a 13 de janeiro de 2002 (Período Chuvoso) e 07 a 19 de setembro de 2002 (Período Seco). O estudo microclimático envolveu a medição das seguintes variáveis meteorológicas: precipitação; saldo de radiação; radiação solar global; temperatura do ar no dossel vegetativo e fora do dossel vegetativo; fluxo de calor no solo vegetado e não vegetado e umidade relativa do ar. Foram comparadas as médias durante o período experimental através da análise de variância e estatística descritiva. O objetivo deste trabalho foi realizar a caracterização microclimática e comportamento do fluxo de calor sensível armazenado no dossel vegetativo. Os resultados referentes às variáveis estudadas durante o período experimental e submetidos à análise estatística revelaram efeitos significativos a 1% pelo teste F. O saldo de radiação médio foi superior durante o período seco quando comparado ao período chuvoso com média 163,20 Wm-2 e 44,26 Wm-2, respectivamente. No período noturno o saldo de radiação foi negativo enquanto que durante o dia foi positivo. A radiação solar global durante o período chuvoso foi menor do que no período seco com média de 208,27 Wm-2 e 265,49 Wm-2, respectivamente. A temperatura do ar dentro do dossel vegetativo são maiores que a temperatura do ar fora do dossel vegetativo em ambos os períodos estudados. O fluxo de calor no solo médio foi superior no solo não vegetado quando comparado ao solo vegetado com média no período chuvoso de 26,79 Wm-2 e 6,52 Wm-2, respectivamente em ambos os períodos estudados. E para o período seco apresentou-se média de 30,50 Wm-2 solo não vegetado e 3,88 Wm-2 solo vegetado. A umidade relativa do ar no período chuvoso foi maior do que no período seco com médias de 79,60% e 62,73%, respectivamente. O fluxo de calor sensível armazenado no dossel vegetativo não revelou efeito significativo a 5% entre o período seco e chuvoso pelo teste F, com média de -0,011 Wm-2 no período chuvoso e -0,017 Wm-2 no período seco. Houve efeitos significativos entre os períodos avaliados para as variáveis microclimáticas estudadas.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 1345690 - ARTHUR MATTOS
Presidente - 2235 - FERNANDO MOREIRA DA SILVA
Interno - 1235107 - GEORGE SANTOS MARINHO
Externo à Instituição - MARCOS AURELIO FERREIRA DOS SANTOS - INPE
Externo à Instituição - MÁRCIA REGINA FARIAS DA SILVA - UERN
Notícia cadastrada em: 12/05/2015 11:35
SIGAA | Superintendência de Informática - (84) 3215-3148 | Copyright © 2006-2019 - UFRN - sigaa09-producao.info.ufrn.br.sigaa09-producao