Banca de DEFESA: DARLAN MARTINES SCHMIDT

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: DARLAN MARTINES SCHMIDT
DATA: 30/07/2014
HORA: 09:00
LOCAL: Anfiteatro B do CCET
TÍTULO:

DINÂMICA DAS CONFIGURAÇÕES DE FORMAÇÃO E INIBIÇÃO DAS CHUVAS NO RIO GRANDE DO NORTE: CARACTERIZAÇÃO HIDRO - CLIMÁTICA DO ESTADO


PALAVRAS-CHAVES:

séries históricas de dados, precipitação, semiárido brasileiro.

 


PÁGINAS: 132
GRANDE ÁREA: Ciências Exatas e da Terra
ÁREA: Geociências
SUBÁREA: Meteorologia
RESUMO:

O objetivo do estudo consistiu em avaliar qual a influência de cada mecanismo meteorológicos e as interações entre diferentes escalas de atuação na variabilidade do ciclo anual da precipitação no Rio Grande do Norte. Considerando particularidades locais e regionais, criando uma base de apoio científica para ações futuras no manejo da demanda hídrica no Estado. Para se chegar aos resultados almejados, foi utilizada uma base de dados de precipitação mensal de 45 anos, compreendidos no período entre 1963 e 2007, dados cedidos pela EMPARN. Os resultados mostraram que a precipitação no Estado é influenciada por mecanismos meteorológicos das diversas escalas espaciais e temporais, os quais configuram o ciclo anual das chuvas em dois principais períodos, um compreendido entre fevereiro e maio ocorrendo precipitação em todas as regiões, influenciado principalmente pela atuação da Zona de Convergência Intertropical (ZCIT), além de Sistemas Frontais (FF) e seus remanescentes além de outros com menor influência, e um segundo entre fevereiro e julho apenas na mesorregião Leste Potiguar e parte da Agreste Potiguar à barlavento da Chapada Borborema. Nestas a influência do Oceano Atlântico é predominante, onde Ondas de Leste (OL) e sistemas de brisas são os maiores contribuintes nesse período. Fenômenos de maior escala como EL NIÑO e LA NIÑA, também afetam o regime de chuvas no Nordeste, em anos de LA NIÑA, geralmente responsáveis por anos normais a chuvosos, como na ocorrência de períodos prolongados de escassez de chuvas quando da influência de EL NIÑO. Podendo atuar juntamente com os eventos ENOS, o padrão Dipolo do Atlântico interfere na intensidade do ciclo das chuvas. Como indicadores de como poderá vir a ser o período seguinte propenso a seca ou chuvas, se destacam justamente as configurações prévias, geralmente de três a quatro meses, desses fenômenos de maior escala ENOS e Dipolo do Atlântico Tropical. Devido a oferta hídrica do Estado ser mantida por pequenos reservatórios, que já encontram – se em estado de eutrofização avançado, quando ocorrem as chuvas, atuam para lavar e substituir as águas dos reservatórios, melhorando a qualidade dessas águas, diminuindo o processo de eutrofização. Pois quando as mesmas não ocorrem significativamente ou longos períodos de escassez, o processo de deterioração das águas e eutrofização dos açudes aumenta significativamente.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - ALAIN MARIE BERNARD PASSERAT DE SILANS - UFPB
Presidente - 1345690 - ARTHUR MATTOS
Interno - 2235 - FERNANDO MOREIRA DA SILVA
Interno - 1235107 - GEORGE SANTOS MARINHO
Externo à Instituição - JOSEMIR ARAÚJO NEVES - EMPARN
Notícia cadastrada em: 17/07/2014 11:48
SIGAA | Superintendência de Informática - (84) 3215-3148 | Copyright © 2006-2019 - UFRN - sigaa01-producao.info.ufrn.br.sigaa01-producao