Banca de DEFESA: JULIO CESAR DA COSTA MOURA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : JULIO CESAR DA COSTA MOURA
DATA : 04/10/2021
HORA: 09:00
LOCAL: https://meet.google.com/qfi-pnoy-ga
TÍTULO:

Spike-Field coherence na frequência gama baixa do córtex visual primário de cutias e gatos


PALAVRAS-CHAVES:

carnívoros, roedores, oscilações, gama baixa, layout colunar, seletividade de orientação


PÁGINAS: 69
RESUMO:

Oscilações neurais na frequência gama baixa (30-49 Hz) têm sido relacionadas ao processamento visual. Spike-field coherence é uma métrica reconhecida para analisar sincronicidade e comunicação entre dois grupos neuronais, assim como pode ser aplicada para estudar a coordenação da atividade de spikes e o potencial de campo local (LFP) como uma identificação de conectividade local. Da mesma forma, o phase-locking value (PLV) é uma medida usada para estudar a atividade oscilatória entre LFP e a atividade de spikes. Anteriormente foi observado que as respostas de spike-field no córtex visual primário (V1) de gatos estão acoplados em fase na frequência gama baixa e estão sintonizadas na mesma orientação da taxa de spikes. Importante salientar que os neurônios seletivos a orientação em V1 de gatos são organizados em colunas periódicas e dispostos em estruturas semelhantes a cata-ventos. Portanto, a interpretação de que as interações fortes e sintonizadas entre
spikes e LFP do mesmo eletrodo durante o estímulo visual orientado e saliente podem refletir o layout colunar ordenado, é razoável. Todos os roedores investigados até agora – incluindo grandes roedores visuais como a cutia – possuem neurônios seletivos a orientação e evocam respostas robustas a grades sinusoidais orientadas
em movimento. No entanto eles não apresentam mapas regulares como gatos ou primatas, mas, se o fizerem, são em mini colunas intercaladas com regiões de “sal e pimenta”. Apesar dos neurônios da cutia exibirem ocasionalmente atividade oscilatória de spikes e LFP na frequência gama baixa, a atividade quase nunca é sintonizada a mesma orientação da taxa de spikes, confirmando a hipótese de que um layout colunar facilita a ocorrência de oscilações sintonizadas. Esta dissertação pretende elucidar o papel dos gratings na condução de oscilações gama coerente e sintonizadas nos córtices visuais com layout colunar versus não colunar. Além disso, comparamos atividades de spikes e LFP em V1 de gatos e cutias através de três estímulos como saliências diferentes contendo componentes de orientação fortes, moderados ou sem componente de orientação. Esses estímulos são gratings, texturas de barras orientadas arranjadas aleatoriamente (RBT) e texturas de pontos arranjados aleatoriamente (RDT). Em detalhes, nós examinamos se a taxa de disparos média absoluta, fator Fano, spike-field coherence e frequência do spike-field, cross-spectrum da oscilação e frequência do cross-spectrum da oscilação, PLV, índice de seletividade de orientação (OSI), evocados por três tipos de estímulos diferentes variam de forma específica, o que poderia ser explicado pelos layouts funcionais diferentes. Para este propósito, analisamos as métricas para LFP-Multi unit activity (LFP-MUA) e LFP-Single unit activity (LFP-SUA) em janelas de tempo correspondentes ao potencial evocado e fase sustentada em que OSI > 0.1, taxa de disparos média absoluta > 2.00 spikes/sec e taxa de disparos média absoluta > 200.00 spikes/sec. De uma forma geral, taxa de disparo, OSI, spike-field coherence, e frequências de oscilação tendem a ser maiores em gatos do que em cutias para todos os tipos de estímulos. Nós observamos diferenças significativas para o spike-field coherence bruto na frequência gama baixa entre as espécies para todos os estímulos. (p-valor do teste U de Mann-Whitney < 0.0001 para todos os estímulos em ambos LFP-MUA e LFP- SUA) durante a janela de fase sustentada (LFP-MUA – cutia: grating: n=143; RBT: n=139; RDT: n=104; gato: grating: n=399; RBT: n=351; RDT: n=200;; LFP-SUA – cutia: grating: n=226; RBT: n=221; RDT: n=176; gato: grating: n=532; RBT: n=365; RDT: n=230). Observamos o mesmo resultado para frequências do spike-field coherence (p-valor do teste Mann–Whitney U test < 0.0001 para todos os estímulos em LFP-MUA e LFP-SUA). Os Gratings aparentam ser mais eficientes do que RDT e RBT em evocar maiores valores de spike-field coherence. Essa tendência é significativa apenas em gatos. Apesar das cutias seguirem essa tendência, principalmente na fase sustentada, a maioria das métricas não mostram nenhuma diferença significante entre os três estímulos. Nossos resultados indicam que atividade neuronal evocada em gatos exibem spike-field coherence mais robustos do que cutias. Ambos tipos de layout, redes colunares ou redes intercaladas pode expressar atividade oscilatória na frequência gama baixa, especialmente quando estimuladas com grades orientadas de forma otimizadas.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - JEROME PAUL ARMAND LAURENT BARON - UFMG
Presidente - 1871878 - KERSTIN ERIKA SCHMIDT
Interno - 1842426 - SERGIO TULIO NEUENSCHWANDER MACIEL
Notícia cadastrada em: 24/09/2021 08:56
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2021 - UFRN - sigaa21-producao.info.ufrn.br.sigaa21-producao