Banca de DEFESA: AMANDA CÍNTHIA MEDEIROS E SILVA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: AMANDA CÍNTHIA MEDEIROS E SILVA
DATA: 04/05/2015
HORA: 09:30
LOCAL: Auditório da História - Sala C3 - Setor II do CCHLA
TÍTULO:

PRÁTICAS E CARACTERÍSTICAS DO JORNALISMO ALTERNATIVO E CONTRA HEGEMÔNICO DE AGÊNCIA DE INFORMAÇÃO: Uma visão a partir da rotina produtiva da Adital


PALAVRAS-CHAVES:

 Comunicação Alternativa e Contra-hegemônica; Cidadania Comunicativa; Práticas sociais do Jornalismo; Agência de Informação; Adital.


PÁGINAS: 159
GRANDE ÁREA: Ciências Sociais Aplicadas
ÁREA: Comunicação
SUBÁREA: Jornalismo e Editoração
ESPECIALIDADE: Jornalismo Especializado (Comunitário, Rural, Empresarial, Científico)
RESUMO:

A presença marcante das tecnologias de informação e comunicação (TICs) fez com que a rotina produtiva de veículos midiáticos passasse por mudanças. Com as agências alternativas de informação não foi diferente. Neste sentido e diante de uma literatura escassa acerca do tema, propomo-nos aqui a compreender como a Agência de informação Frei Tito para América Latina (Adital) desenvolve sua proposta de jornalismo alternativo, no ciberespaço, com vistas a uma comunicação cidadã. Para tanto, buscamos descrever as práticas de produção jornalísticas da agência, além de identificar os sujeitos envolvidos e as relações mantidas entre eles na rotina produtiva, e mapear quem são e onde estão os replicadores do conteúdo publicado e/ou veiculado em sua página online. A princípio, apresentamos uma discussão teórica acerca de conceitos como os de contra-hegemonia, jornalismo alternativo e cidadania comunicativa, o que nos leva até os estudos de Gramsci (2010), Peruzzo (2011), Moraes (2013), Paiva (2008), Coutinho (2008), Mata (2006), entre outros autores. Em seguida, abordamos brevemente a trajetória histórica de agências de informação no mundo e na América Latina, para tanto nos debruçamos em autores como Aguiar (2009), Pasti (2013) e Moraes (2010). Traçamos ainda um percurso metodológico de abordagem qualitativa e caráter exploratório e descritivo. Lançamos mão do método da etnometodologia, o que nos permite analisar os etnométodos ou conjunto de modos de agir, procedimentos, atividades e saberes que se constituem nos grupos, dando-lhes reconhecimento e distinção (COULON, 1995). Para alcançar os objetivos traçados, utilizamos ainda técnicas de pesquisa bibliográfica e documental, além da observação participante e entrevistas semi-estruturadas. Por fim, analisamos os dados coletados a partir de três eixos: o surgimento da Adital; as práticas, características e sujeitos envolvidos na rotina produtiva da agência; e quem são e onde estão os replicadores do conteúdo produzido e/ou veiculado pela Adital. Concluímos que a rotina de produção em uma agência alternativa e contra-hegemônica de informações é sim marcada por singularidades, tanto no que diz respeito à organização da prática jornalística, quanto aos obstáculos encontrados. Nossos dados permitem ainda que, resguardadas algumas questões, acreditemos ser a Adital um modelo de agência de informação independente, alternativa e contra-hegemônica, logo, aproximada de uma proposta de comunicação cidadã.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1319361 - JUCIANO DE SOUSA LACERDA
Interno - 1501788 - ALEXSANDRO GALENO ARAUJO DANTAS
Externo à Instituição - ALBERTO EFENDY MALDONADO GOMEZ DE LA TORRE - Unisinos
Notícia cadastrada em: 22/04/2015 12:06
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2020 - UFRN - sigaa10-producao.info.ufrn.br.sigaa10-producao