Banca de DEFESA: CAROLINA TAVARES DE FREITAS

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : CAROLINA TAVARES DE FREITAS
DATA : 28/03/2019
HORA: 14:00
LOCAL: Sala de Vídeo Conferência (no Centro de Convivência)
TÍTULO:

O manejo do pirarucu (Arapaima sp.) na Amazônia: aspectos ecológicos e socioeconômicos


PALAVRAS-CHAVES:

Gestão participativa; sustentabilidade; pesca; manejo do pirarucu; espécies culturalmente importantes; gênero

 


PÁGINAS: 100
RESUMO:

Desde a década de 1980, a gestão participativa (manejo colaborativo) dos recursos naturais vem sendo cada vez mais adotada nos sistemas de manejo em todo o mundo. Esse tipo de gestão representa a transição do poder centralizado no Estado para um arranjo mais democrático e inclusivo, em que os povos locais compartilham do direito de tomada de decisão e controle sobre o uso dos recursos. Apesar do número crescente de sistemas de manejo colaborativo sendo implementados mundialmente, frequentemente o estabelecimento dos mesmos ocorre sem que haja embasamento teórico acerca de aspectos relacionados ao sucesso ou fracasso das iniciativas. Menos atenção ainda vem sendo destinada ao sucesso social e econômico, ainda que sejam esferas de grande importância e estejam diretamente relacionadas ao sucesso ecológico. Na Amazônia, diversos regimes de manejo colaborativo já foram implementados, tendo tido grande repercussão nos últimos anos o manejo do pirarucu. O pirarucu (Arapaima spp.) é um dos maiores peixes de água doce do mundo e um elemento de grande importância ecológica, econômica e cultural na Amazônia. Apesar de ter sido o principal recurso pesqueiro da Amazônia Brasileira durante mais de um século, pouco se sabe sobre o histórico das populações de pirarucu devido à deficiência de estatísticas pesqueiras. No entanto, diante de alguns indícios de sobre-exploração, sua pesca foi proibida e atualmente é permitida apenas sob plano de manejo aprovado pelos órgãos competentes. As iniciativas de manejo do pirarucu vêm proliferando na Amazônia e parecem estar promovendo tanto o aumento dos estoques quanto benefícios socioeconômicos. Este estudo tem por objetivo (1) avaliar os benefícios de usar espécies culturalmente importantes, a exemplo do pirarucu, como espécies guarda-chuva em planos de manejo e conservação de recursos naturais; (2) avaliar padrões de mudança da abundância e do tamanho dos pirarucus ao longo do tempo; (3) estimar o impacto econômico do manejo do pirarucu para família rurais dentro e fora de Unidades de Conservação; (4) verificar o impacto do manejo do pirarucu na promoção de uma maior equidade de gênero na pesca, através do reconhecimento da participação feminina. Cada um desses objetivos corresponde a um capítulo da tese. Os dados do primeiro capítulo foram obtidos a partir da literatura e os dos demais são provenientes de entrevistas semiestruturadas com pescadores de comunidades de três bacias de rios amazônicos. Com as informações geradas neste estudo, espera-se fornecer subsídios e incentivos para o desenvolvimento de sistemas de manejo de recursos naturais mais eficazes, que busquem conciliar a sustentabilidade ecológica com a socioeconômica.

 


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - ALEXANDRE SCHIAVETTI - UESC-BA
Externo à Instituição - JUAREZ CARLOS BRITO PEZZUTI - UFPA
Externo à Instituição - LEANDRO CASTELLO - VirginiaTech
Externa à Instituição - NATALIA HANAZAKI - UFSC
Presidente - 1718747 - PRISCILA FABIANA MACEDO LOPES
Notícia cadastrada em: 20/03/2019 10:06
SIGAA | Superintendência de Informática - (84) 3215-3148 | Copyright © 2006-2019 - UFRN - sigaa08-producao.info.ufrn.br.sigaa08-producao