Banca de QUALIFICAÇÃO: JEMIMA TABITA FERREIRA DE SOUSA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : JEMIMA TABITA FERREIRA DE SOUSA
DATA : 13/03/2019
HORA: 15:00
LOCAL: Auditório do CT
TÍTULO:

AVALIAÇÃO DAS PROPRIEDADES DE CAA COM AGREGADOS LEVES ARTIFICIAIS PRODUZIDOS A PARTIR DA CALCINAÇÃO DE RESÍDUOS AGROINDUSTRIAIS


PALAVRAS-CHAVES:

Concretos leves autoadensáveis (CLAA), Agregados leves, Resíduo da biomassa da cana-de-açúcar (RBC), Resíduo do corte de granito de mármore (RGM).


PÁGINAS: 48
RESUMO:

O concreto autoadensável (CAA) apresenta-se como um importante exemplo
de nova tecnologia e alternativa ao uso do concreto convencional. Os
parâmetros reológicos demonstrados por esse tipo de concreto, proporcionam
alta fluidez e coesão que resultam na habilidade de preenchimento e
resistência à segregação, além da otimização dos processos de concretagem e
gerar redução nos custos com mão de obra. Atualmente, em decorrência da
falta de solo resistente para suportar cargas das edificações em aglomerações
urbanas, estudos tem sido realizados em busca de possibilidades para sanar
essa necessidade. O concreto leve autoadensável (CLAA) surge então, como
uma possível alternativa por agrupar os benefícios do CAA e do concreto leve
convencional (CLC). Na produção desses concretos, o agregado leve mais
utilizado no mundo e no Brasil ainda é a argila expandida, tendo sua produção
nacional concentrada nas regiões sul e sudeste. Nesse contexto, um estudo
para produção de agregados leves utilizando resíduos industriais e matérias-
primas regionais (Rio Grande do Norte/Nordeste/Brasil), como resíduo da

biomassa da cana-de-açúcar (RBC), resíduo do corte do granito e mármore
(RGM) e argilas locais, foi desenvolvido. Diante do exposto, o presente estudo
tem como objetivo analisar a influência desses novos agregados leves na
composição de concretos leves autoadensáveis, a fim de averiguar sua
eficiência para uso em nesses concretos. Os CLAAs serão submetidos à
ensaios de caracterização no estado fresco, onde serão avaliadas as
propriedades de fluidez, viscosidade aparente, estabilidade visual e habilidade
passante, pelos ensaios de espalhamento, t 500 , índice de estabilidade visual e
anel-J, respectivamente. E, no estado endurecido, serão realizados ensaios
para determinação dos índices físicos, das propriedades mecânicas e dos
indicativos de durabilidade.


MEMBROS DA BANCA:
Externa à Instituição - ANDREZA KELLY COSTA NOBREGA - UFERSA
Interno - 028.307.994-02 - ENIO FERNANDES AMORIM - IFRN
Interna - 1717461 - LUCIANA DE FIGUEIREDO LOPES LUCENA
Presidente - 022.621.844-96 - MARCOS ALYSSANDRO SOARES DOS ANJOS - IFRN
Notícia cadastrada em: 27/02/2019 16:49
SIGAA | Superintendência de Informática - (84) 3215-3148 | Copyright © 2006-2019 - UFRN - sigaa10-producao.info.ufrn.br.sigaa10-producao