Banca de DEFESA: THAÍS SOUSA LUCENA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : THAÍS SOUSA LUCENA
DATA : 30/07/2018
HORA: 14:00
LOCAL: SALA DO POP-RN
TÍTULO:

Análise geoestatística da estimativa de resistência estática a partir de ensaios SPT.


PALAVRAS-CHAVES:

Ensaio SPT; Eficiência; Prova de carga no amostrador SPT; Resistência estática; Geoestatística.


PÁGINAS: 90
RESUMO:

A previsão da resistência estática disponibilizada pelo solo é uma etapa fundamental do projeto de fundações. O uso de métodos de estimativa de capacidade de carga de estacas a partir de resultados de sondagens SPT é corrente, visto que a simplicidade de execução e o baixo custo deste ensaio o tornam uma das ferramentas mais empregadas em investigações geotécnicas. O mecanismo de transferência da energia envolvida no ensaio tem sido objeto de estudo de diversos autores nas últimas quatro décadas, motivados por questões acerca da dispersão de resultados do índice . Foi verificado que o conhecimento da eficiência da energia do ensaio permite normalizar seus resultados para um valor de referência padrão. Neste contexto, Aoki & Cintra (2000) analisaram o evento dinâmico do golpe do martelo sob a ótica do Princípio da Conservação da Energia. O estudo foi suporte teórico para a metodologia proposta por Aoki (2013), que permite quantificar a resistência de ponta e o atrito lateral usando resultados de ensaios SPT. O método é aplicável aos ensaios em que a eficiência e os comprimentos das amostras de solo recuperadas do interior do amostrador (embuchamento) são conhecidos. Esta pesquisa fez previsões de resistências estáticas de ponta e de atrito lateral, utilizando a metodologia proposta por Aoki (2013) aplicada aos resultados de 58 ensaios SPT. As sondagens ocorreram em um depósito de areia fina e tiveram os embuchamentos medidos. Um ensaio SPT adicional foi realizado, com seis provas de carga estática de tração no amostrador, a fim de investigar o atrito desenvolvido no fuste. O valor da razão entre as resistências por atrito nas paredes interna e externa do amostrador, conhecida como “fator a”, ficou próximo a dois para areia fina e aumentou para as camadas com maior porcentagem de finos. Por fim, procedeu-se uma comparação entre resultados de resistência obtidos pelo método de Aoki (2013) e os resultados de oito ensaios CPT realizados no mesmo campo. A comparação foi fundamentada em conceitos da geoestatística, por meio de análises do comportamento espacial da resistência estática, usando como ferramenta o software Geokrige, que auxiliou na obtenção de variogramas e de inferências espaciais por krigagem ordinária. Concluiu-se que as previsões de resistência lateral e de ponta a partir de ensaios SPT foram consistentes.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - ALEXANDRE DA COSTA PEREIRA - IFRN
Interno - 1515200 - JOSE NERES DA SILVA FILHO
Presidente - 2551234 - YURI DANIEL JATOBA COSTA
Notícia cadastrada em: 11/07/2018 11:24
SIGAA | Superintendência de Informática - (84) 3215-3148 | Copyright © 2006-2019 - UFRN - sigaa03-producao.info.ufrn.br.sigaa03-producao