Banca de DEFESA: ARTHUR DA SILVA REBOUCAS

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : ARTHUR DA SILVA REBOUCAS
DATA : 24/03/2017
HORA: 08:00
LOCAL: Auditório do CTEC
TÍTULO:

Análise da distribuição de carga em tabuleiros de pontes curvas.


PALAVRAS-CHAVES:

Pontes; Fatores de distribuição de carga móvel; Métodos
analíticos; Método dos elementos finitos.


PÁGINAS: 160
RESUMO:

Atualmente, devido ao adensamento das cidades e a demanda por infraestrutura, a necessidade de construir pontes e viadutos curvos tem se intensificado. Entretanto, a análise estrutural de pontes com essa geometria de tabuleiro ainda necessita de uma maior quantidade de contribuições, principalmente quando se trata da otimização da distribuição de carga nesse tipo de tabuleiro ou da comparação entre o uso de longarinas retas e curvas, com seções de alma cheia ou caixão. Por isso, o objetivo principal desse trabalho é analisar o comportamento de 3 sistemas estruturais diferentes de pontes curvas de concreto armado, avaliando a distribuição de momento fletor devido a carga móvel na posição longitudinal mais crítica a estrutura. Para identificar essa posição, foram determinadas as linhas de influência em função do raio de curvatura e do comprimento de cada ponte estudada. Em seguida foram construídos 15 modelos numéricos utilizando o MEF através do programa CSI Bridge V17 e feita uma análise dos modelos analíticos de cálculo existentes para tabuleiros curvos de vigas T (Método V-Load) e de seção celular (Método M/R), a fim de avaliar a variação da distribuição de carga móvel em função da curvatura da linha central da ponte, da existência ou não de transversinas de apoio e da metodologia de análise estrutural utilizada. Todos os estudos foram realizados com as cargas móveis referentes ao TB-450 definido pela NBR 7188:2013. Os métodos analíticos apresentaram resultados superestimados em todos os casos analisados para a longarina ou septo externo à curva. A distribuição de momento fletor devido a carga móvel é otimizada através da inserção de transversinas de apoio, contudo nas pontes com seção em vigas T, tal distribuição apresenta maior variação de parcela de carga do que nas pontes com seção celular, nas quais há uma distribuição mais igualitária. Além disso, constatou-se que em todos os sistemas estruturais, quanto maior a curvatura, maior é a parcela de carga que vai para a longarina externa a curva.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1515200 - JOSE NERES DA SILVA FILHO
Interno - 1891124 - FRANCISCO ADRIANO DE ARAUJO
Interno - 1451817 - JOEL ARAUJO DO NASCIMENTO NETO
Externo à Instituição - ALINE DA SILVA RAMOS BARBOZA - UFAL
Notícia cadastrada em: 20/03/2017 11:24
SIGAA | Superintendência de Informática - (84) 3215-3148 | Copyright © 2006-2019 - UFRN - sigaa04-producao.info.ufrn.br.sigaa04-producao