Banca de DEFESA: CHARLES PEREIRA CHAVES

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: CHARLES PEREIRA CHAVES
DATA: 21/03/2016
HORA: 09:00
LOCAL: Setor IV - Bloco i, Sala 8
TÍTULO:

DESENVOLVIMENTO DE MODELOS FÍSICOS REDUZIDOS PARA AVALIAÇÃO DE FUNDAÇÕES POR ESTACAS HELICOIDAIS EM SOLOS REFORÇADOS COM GEOSSINTÉTICOS.


PALAVRAS-CHAVES:

Ancoragens helicoidais, Geossintéticos, geogrelhas.

 

 


PÁGINAS: 166
GRANDE ÁREA: Engenharias
ÁREA: Engenharia Civil
SUBÁREA: Geotécnica
ESPECIALIDADE: Fundações e Escavações
RESUMO:

As ancoragens helicoidais são estruturas de fundações bastante utilizadas em linhas de transmissão e torres de telefonia. Praticidade de execução e viabilidade econômica são alguns fatores que vem tornando o seu uso cada vez mais comum no mercado nacional. Porém podem apresentar algumas limitações de comprimento durante sua execução. Situações em que haja necessidade de executá-las em solos com presença de matacões em sua estrutura pode tornar inviável o seu uso, devido a limitações de se atingir a profundidade necessária das hélices buscando atender as condições de capacidade de carga. Já solos de baixa resistência (argila mole e areia fofa) pode inviabilizar sua execução, devido a necessidade de se atingir grandes profundidades das ancoragens para atender as exigências de capacidade de carga, tornando seu custo de execução bastante oneroso ao executor. Pensando nisso, foi desenvolvido um modelo físico de ancoragem helicoidal em escala reduzida (1:3) na condição rasa, buscando atender as limitações de profundidade e de viabilidade econômica das situações citadas acima. Sabendo que estando o sistema de ancoragem rasa em condições insuficientes de atender a capacidade de carga, foi realizado um reforço no sistema de fundação através da instalação de uma geogrelha buscando aumentar a sua capacidade de carga mesmo este estando em condições de profundidade rasa. Foram realizados ensaios de provas de carga de arrancamento do modelo físico avaliando a eficiência do reforço através da comparação de ensaios com e sem reforço. Foi necessário o desenvolvimento de uma metodologia de compactação do solo parara esta pesquisa, buscando garantir eficiência na compactação e repetitividade, garantindo condições de compacidade semelhantes em todos os ensaios realizados. Foi possível detectar o alcance da cunha de ruptura real do sistema de ancoragem através de um mapeamento das deflexões superficiais do solo antes e depois do ensaio de prova de carga comparando com as cunhas de rupturas teóricas esperadas. Observou-se através dos resultados de provas de carga, que não houve aumento significativo da rigidez do solo para o regime de pequenas deformações, percebendo a atuação do reforço somente a grandes deformações do sistema de ancoragem.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2085750 - FAGNER ALEXANDRE NUNES DE FRANCA
Interno - 2551234 - YURI DANIEL JATOBA COSTA
Externo ao Programa - 346779 - LEONARDO FLAMARION MARQUES CHAVES
Externo à Instituição - GREGÓRIO LUÍS SILVA ARAÚJO - UnB
Notícia cadastrada em: 18/03/2016 10:01
SIGAA | Superintendência de Informática - (84) 3215-3148 | Copyright © 2006-2019 - UFRN - sigaa08-producao.info.ufrn.br.sigaa08-producao