Banca de DEFESA: VANESSA DA NÓBREGA DIAS

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : VANESSA DA NÓBREGA DIAS
DATA : 17/06/2021
HORA: 14:00
LOCAL: REMOTO
TÍTULO:

EQUILÍBRIO CORPORAL E FUNCIONALIDADE EM IDOSOS DIABÉTICOS E NÃO DIABÉTICOS: UMA ANÁLISE COMPARATIVA


PALAVRAS-CHAVES:

IDOSO; EQUILÍBRIO POSTURAL; CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DE FUNCIOALIDADE; INCAPACIDADE E SAÚDE; DIABETES MELLITUS.


PÁGINAS: 59
RESUMO:

OBJETIVO: Comparar os idosos com e sem DM tipo 2 quanto aos fatores sociodemográficos, clínicos, funcionais e psico-cognitivos, relacionados ao equilíbrio postural e a funcionalidade. MÉTODO: Trata-se de um estudo observacional analítico de caráter transversal, cuja amostra foi selecionada por conveniência e constituída por idosos com 60 anos ou mais, com e sem diagnóstico de Diabetes Mellitus tipo 2, segundo os critérios da American Diabetes Association (ADA), de ambos os sexos, dividida em dois grupos: grupo 1 (G1) – idosos com diagnóstico de DM tipo 2 e grupo 2 (G2) - idosos sem DM tipo 2. A variável “diagnóstico de DM 2” foi analisado em relação às demais variáveis do estudo, por meio da aplicação dos testes estatísticos:  Mann-Whitney, Kruskall-Wallis, com o pos hoc de Dunn. As correlações foram feitas por meio da Correlação de Spearman (r) e modelos de regressão linear múltipla foram construídos para avaliar os preditores de WHODAS e TUG.Também foram feitas análises de regressão tipo stepwise e anáilise de Curva Roc. Para todas as análises estatísticas foi adotado um nível de significância de 5% (p<0,05).  RESULTADOS: Foi observada significância nas variáveis: IMC (p=0,048), número de doenças (p<0,001), número de medicamentos (p= 0,001), escala depressão geriátrica (p=0,011), alterações nos pés (p<0,001), alteração sensitiva (p<0,001), medo de quedas (p=0,012). As variáveis que entraram no modelo após uma bateria de correlações foram: Mini BESTest total, tempo de diagnóstico, número de medicamentos, escala de depressão geriátrica, MiniMental, diminuição da velocidade da marcha e tontura. CONCLUSÃO: Os idosos com DM2 apresentam fatores de risco para déficit no equilíbrio postural e funcionalidade, como diminuição da força de preensão palmar, da mobilidade funcional, presença de sintomas depressivos, maior número doenças diagnosticadas e de medicamentos em uso, medo de cair.


MEMBROS DA BANCA:
Interna - 2374822 - FABRICIA AZEVEDO DA COSTA CAVALCANTI
Externa à Instituição - FLÁVIA DONÁ SIMONE - UNIAN
Externa à Instituição - JULIANA FERNANDES DE SOUZA BARBOSA - UFPE
Presidente - 2090691 - JULIANA MARIA GAZZOLA
Interno - 350637 - RICARDO OLIVEIRA GUERRA
Notícia cadastrada em: 27/04/2021 13:54
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa24-producao.info.ufrn.br.sigaa24-producao