Banca de QUALIFICAÇÃO: NICIA FARIAS BRAGA MACIEL

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : NICIA FARIAS BRAGA MACIEL
DATA : 21/09/2020
HORA: 14:00
LOCAL: REMOTO
TÍTULO:

ASPECTOS BIOMECÂNICOS INTEGRADOS DE OMBRO, COLUNA VERTEBRAL E QUADRIL EM INDIVÍDUOS COM E SEM DOR NO OMBRO


PALAVRAS-CHAVES:

Dor musculoesquelética, mobilidade, resistência física, equilíbrio postural.


PÁGINAS: 50
RESUMO:

Contextualização: A dor do ombro está relacionada a disfunções biomecânicas que envolve o complexo do ombro e possivelmente toda a cadeia cinética.

Objetivo: Analisar a mobilidade e resistência muscular do complexo do ombro, coluna vertebral e quadril, e o controle neuromuscular do tronco e pelve de indivíduos com e sem dor no ombro, verificar a capacidade discriminativa dessas variáveis e suas relações.

Desenho do Estudo: Estudo transversal.

Métodos: Cento e dois indivíduos foram alocados em dois grupos: com (n=51; idade=45.5±8.3 e IMC=27.1±4.3) e sem (n=51; idade=43.1±8.5 e IMC=26.7±5.4) dor no ombro. Foram avaliados a amplitude de movimento (ADM) da coluna cervical e toracolombar e quadril e o tempo de resistência muscular da coluna cervical e toracolombar, dos músculos periescapulares e do quadril e o controle neuromuscular da tronco e pelve. Resultados: A tese foi dividida em dois artigos, sendo o primeiro intitulado: Alterações motoras na cadeia cinética em indivíduos com dor crônica no ombro. O segundo artigo, ainda em construção, intitula-se: Relação entre a resistência de músculos do complexo do ombro e da cadeia cinética. Os resultados do primeiro artigo demonstraram que os indivíduos com dor no ombro apresentaram menor ADM em todos os movimentos da coluna cervical (p< 0.01 – p=0.04), toracolombar (p< 0.01 – p=0.03) e quadril (p=0.01 – 0.03); menor tempo de resistência dos músculos da cervical (p<0.01 – p=0.02), toracolombar (p<0.01), periescapulares (p<0.01) e quadril (p<0.01) e menor controle neuromuscular do tronco e pelve no alcance composto (p< 0.01 – p= 0.01), nas direções anterior (p< 0.01 – p= 0.04) e póstero medial (p< 0.01 – p=0.04) nos lados ipsilateral e contralateral à dor. Constatou-se uma maior da percepção dolorosa dos indivíduos com dor durante todas as avaliações de ADM (p< 0.01 – p= 0.04) e resistência muscular (p< 0.01 – p=0.04). Quanto à capacidade discriminativa, apenas o tempo de resistência dos músculos periescapulares ipsilaterais (AUC= 0.80, ponto de corte de 56 segundos) e controle neuromuscular no alcance anterior do membro contralateral (AUC= 0.80, ponto de corte de 47.7%) à lesão apresentaram capacidade excelente de discriminar indivíduos com dor no ombro, sendo que as demais variáveis, tiveram a capacidade entre aceitável e pequena (AUC=0.58-0.76).

Conclusão: Indivíduos com dor crônica no ombro apresentam alterações na mobilidade, resistência e controle neuromuscular da cadeia cinética, com presença de um aumento da percepção dolorosa ao movimento, sugerindo uma sensibilização central. Ademais, muitas variáveis da cadeia cinética apresentaram capacidade discriminativa aceitável para identificar indivíduos com dor no ombro, com o tempo de resistência muscular de periescapulares ipsilaterais e o alcance anterior contralateral apresentando capacidade discriminativa excelente.

Relevância Clínica: Considerando as alterações biomecânicas em toda cadeia cinética presentes em indivíduos com dor no ombro, é importante incluir essas variáveis na abordagem fisioterapêutica voltada para a dor crônica do ombro.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1081828 - CATARINA DE OLIVEIRA SOUSA
Externo à Instituição - FABIO VIADANNA SERRÃO - UFSCAR
Externo à Instituição - FRANCISCO ALBURQUERQUE SENDÍN - UCO
Notícia cadastrada em: 25/08/2020 14:27
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa10-producao.info.ufrn.br.sigaa10-producao