Banca de DEFESA: RAIFF SIMPLICIO DA SILVA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : RAIFF SIMPLICIO DA SILVA
DATA : 28/02/2020
HORA: 09:00
LOCAL: SALA 8
TÍTULO:

Efeitos do treino em esteira inclinada sobre os parâmetros funcionais e cardiovasculares de indivíduos com Acidente Vascular Cerebral: ensaio clínico randomizado


PALAVRAS-CHAVES:

Fisioterapia, Marcha, Reabilitação, Exercício Aeróbico, Terapia por Exercício


PÁGINAS: 70
RESUMO:

Contextualização:Diante das repercussões ocasionadas por um Acidente Vascular Cerebral (AVC), tem sido posta a importância do treino aeróbico, em especial o treino em esteira, na melhora das variáveis funcionais e cardiovasculares e da qualidade de vida dos indivíduos acometidos pela doença. Contudo, poucos estudos têm comparado os efeitos de diferentes protocolos de inclinação da esteira na melhora dessas variáveis.Objetivos:Avaliar os efeitos de um protocolo de treinamento de marcha em esteira em diferentes inclinações sobre variáveis funcionais, cardiovasculares e qualidade de vida de indivíduos com AVC crônico.Métodos:Trata-se de um ensaio clínico randomizado e cego, do qual participaram 26 indivíduos de ambos os sexos, com idade entre 20 e 70 anos e sequela de AVC há mais de 6 meses. Estes foram randomizados em 3 grupos: grupo controle (GC, n=8), que realizaram treinamento em esteira sem inclinação; grupo experimental 1 (GE1, n=8), que realizaram treinamento com esteira inclinada à 5%; e grupo experimental 2 (GE2, n=10), que realizaram treinamento em esteira inclinada à 10%. A intervenção constou de 3 sessões semanais durante umperíodo de 6 semanas. Os indivíduos foram avaliados em 3 momentos (pré-treino, pós-treino e seguimento) quanto as medidas de desfecho (velocidade da marcha, capacidade funcional [distância percorrida], torque neuromuscular, parâmetros cardiovasculares [pressão arterial sistêmica PA e frequência cardíaca-FC] e qualidade de vida). Na análise estatística utilizou-se o teste de Shapiro-wilk, para verificação da normalidade dos dados; além disso, utilizou-se a Análise de Variância (ANOVA)two-way de medidas repetidas para verificação do efeito das intervenções considerando as medidas temporais (pré-treino, pós-treino e seguimento) e a variável “grupo” como fator entre os sujeitos.Resultados:A Análise de Variância não demonstrou haver interação tempo*grupo em nenhum dos desfechos de FC e PA, bem como para as variáveis funcionais e qualidade de vida. Contudo, alguns valores de PA média e os valores da velocidade da marcha foram diferentes ao longo do tempo (PA média: F=3,604; P=0,036; Velocidade da marcha: F=4,963; P=0,014), indicando melhora dessas variáveis ao longo das avaliações realizadas. Em relação à capacidade funcional, o GE2 apresentou no pós-treinamento, emcomparação com o GC e com o GE1, um tamanho de efeito de 20,6 e 28,2 metros, respectivamente.Conclusão:De maneira geral, o treinamento em esteira inclinada não se mostrou mais efetivo que o treino sem inclinação na melhora dos parâmetros do estudo. Contudo, é possível que um maior tempo de treinamento seja necessário para expressão de melhoras relativas ao treino aeróbico. Além disso, os resultados da velocidade de marcha e capacidade funcional sugerem que, com o alcance do tamanho da amostra pretendido, melhoras sejam observáveis, em especial no GE2 para distância percorrida, que apresentou diferenças clinicamente relevantes quando comparado aos demais.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2319151 - TATIANA SOUZA RIBEIRO
Externa ao Programa - 2682777 - ROBERTA DE OLIVEIRA CACHO
Externa à Instituição - LARISSA COUTINHO DE LUCENA - FACENE
Notícia cadastrada em: 27/02/2020 10:23
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa20-producao.info.ufrn.br.sigaa20-producao