Banca de QUALIFICAÇÃO: MARINA LYRA LIMA CABRAL FAGUNDES

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : MARINA LYRA LIMA CABRAL FAGUNDES
DATA : 02/05/2019
HORA: 14:30
LOCAL: sala 8
TÍTULO:

Avaliação dos efeitos de dispositivos de reexpansão pulmonar em sujeitos com sequelas de AVC


PALAVRAS-CHAVES:

Mecânica respiratória; respiração; fisioterapia; acidente vascular cerebral/


PÁGINAS: 40
RESUMO:

Introdução: A espirometria de incentivo a volume (EIv) e a pressão expiratória positiva (PEP) são dois recursos fisioterapêuticos de baixo custo, fácil transporte e utilização e que promovem a expansão pulmonar. Em sujeitos com sequela de Acidente Vascular Cerebral (AVC), ambos recursos são utilizados para promover a reexpansão pulmonar, entretanto, ainda não foi estabelecido os efeitos de um em relação ao outro e a utilização de ambos combinados. Objetivo: Comparar as variações dos volumes da parede torácica em indivíduos com AVC submetidos a diferentes protocolos de expansão pulmonar: a) espirometria de incentivo a volume (EIv), b) Pressão Expiratória Positiva (PEP) e c) ambos dispositivos (PEP+EIv). Metodologia: Trata-se de um estudo observacional analítico onde serão incluídos indivíduos acometidos por episódio de Acidente Vascular Cerebral (AVC), há pelo menos três meses, de ambos os sexos, com idade superior a 18 anos. As avaliações irão ocorrem em dois momentos (1 e 2) divididos em dois dias, com um intervalo mínimo de uma semana. No primeiro dia, os participantes serão avaliados quanto à força da musculatura respiratória (PImáx e PEmáx) e função pulmonar (espirometria) e em seguida, serão randomizados quanto a ordem de realização dos dispositivos (EIv, PEP ou PEP+EIv). Os volumes da variação da parede torácica e seus compartimentos: caixa torácica pulmonar (CTp); caixa torácica abdominal (CTa) e abdome (AB) serão avaliados pela Pletismografia Optoeletrônica (POE). A avaliação dos volumes pulmonares ocorrerá em 3 etapas consecutivas: 2 minutos de repouso (quiet breathing- QB), 2 minutos da técnica de intervenção randomizada (protocolo) e 2 minutos de recuperação (recovery). No segundo dia de avaliação, serão utilizados os outros dois dispositivos na ordem pré definida pela randomização. O tempo de descanso entre os dispositivos será definido através da estabilização da Frequência Cardíaca (FC) e Frequência Respiratória (FR). Resultados preliminares: Até o presente momento, foram avaliados 5 indivíduos (2M), com idade de 54,0 [32,5-62,5] anos e IMC 25,9 [24,4-28,9] kg/m2. Em relação aos volumes pulmonares, observamos um aumento do volume corrente da parede torácica (VC,ct) maior quando utilizado os dispositivos associados PEP+EIv: 2,73 [1,95-3,82] (L), versus PEP: 1,65 [1,36-2,31] (L) versus EIv 2,25 [1,80-2,98] (L) respectivamente. Esse comportamento foi observado em todos os compartimentos da parede torácica, com exceção do volume corrente do abdome (VC,ab), onde a EIv apresentou maiores valores de mediana 0,86 [0,44-1,14] (L)quando comparados a PEP+EIv 0,81 [0,61-1,77] (L) e a PEP 0,61 [0,57-0,96] (L). A análise estatística ainda não foi realizada, devido a pequena amostra coletada. Conclusão: O uso dos dispositivos de reexpansão combinados (PEP+EIv) parecem promover maior variação dos volumes da parede torácica em sujeitos com AVC, principalmente nos compartimentos CTp e CTa. Entretanto, um número maior de indivíduos deverão ser avaliados para confirmação desses achados


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 5566309 - VANESSA REGIANE RESQUETI FREGONEZI
Externa ao Programa - 2646588 - JOCELINE CASSIA FEREZINI DE SA
Externa à Instituição - ILLIA NADINNE DANTAS FLORENTINO LIMA
Notícia cadastrada em: 29/04/2019 14:53
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa12-producao.info.ufrn.br.sigaa12-producao