Banca de QUALIFICAÇÃO: CLÊNIA OLIVEIRA ARAÚJO

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : CLÊNIA OLIVEIRA ARAÚJO
DATA : 09/05/2019
HORA: 14:00
LOCAL: Auditório do departamento de fisioterapia
TÍTULO:

Insuficiência cardíaca. Reabilitação cardiovascular. Treinamento muscular expiratório. Treinamento muscular inspiratório. Ventilação Não Invasiva.  


PALAVRAS-CHAVES:

Palavras chaves: Insuficiência cardíaca. Reabilitação cardiovascular. Treinamento muscular expiratório. Treinamento muscular inspiratório. Ventilação Não Invasiva.

 


PÁGINAS: 130
RESUMO:

Introdução: A dispneia é um dos sintomas mais comuns aos esforços na Insuficiência Cardíaca Crônica com reduzida fração de ejeção ventricular esquerda (ICrFE) e avança implacavelmente com a progressão da doença, levando à redução da capacidade funcional e das atividades de vida diária. Além disso, considerando que a ineficiência ventilatória na ICrFE pode ser agravada em consequência da fraqueza dos músculos expiratórios, portanto é possível que a investigação das diferentes modalidades de terapias coadjuvantes possa orientar melhor a tomada de decisões clínicas, especialmente nos pacientes com disfunção dos músculos respiratórios que se associa a pior prognóstico da ICrFE, podendo otimizar a participação desses pacientes à Reabilitação Cardiovascular (RC). Assim, hipotetizamos que a modalidade de treinamento muscular expiratório (TME) concomitante ao TMI plus RC pode apresentar efeitos superiores ao uso da VNI plus RC no tocante da melhora da musculatura respiratória, qualidade de vida e tolerância ao exercício. Objetivos: analisar os efeitos do TME plus TMI mais RC versus RC plus VNI na tolerância ao exercício em portadores de ICrFE. Métodos: A pesquisa foi dividida em três etapas. Inicialmente foi realizado um estudo para saber se há benefício adicional do TME concomitante TMI associado ao exercício aeróbico (EA) na ICrFE quando comparado a indivíduos saudáveis, em 31 participantes. Na segunda etapa, realizamos um ensaio clínico randomizado, envolvendo 17 pacientes com ICC que foram alocados em Grupo 1 RC- controle (n=6), Grupo 2 – RC + VNI (n=5), Grupo 3 – TME + TMI (n=6). Todos os pacientes foram avaliados antes e após 12 semanas do programa estruturado de RC supervisionado três vezes por semana.  O Grupo 1- RC supervisionado. O Grupo 2 – RC + VNI com modo pressão continua nas vias aeréas (CPAP), usando o VPAP TM Auto 25 ResMed System (ResMed® USA). O CPAP ajustado gradualmente até 8 cmH2O por 20 minutos. A RC plus TMR, por 30 minutos de duração, sendo 15 minutos com carga inspiratória até 40% da PImáx e 15 minutos com carga expiratória entre 5 e 15% da PEmáx, sendo o TME realizado conforme o protocolo desempenhado no estudo de Cahalin et al. Na terceira etapa, serão avaliados os efeitos do TMI na cinética do VO2 em portadores de IC versus indivíduos saudáveis: revisão sistemática. Resultados: O treinamento combinando TMI plus TME plus EA mostrou benefícios adicionais superiores na DC6M, PImáx e PEmáx, entre os grupos quando comparado ao EA isolado; tanto nos pacientes com ICrFE como nos indivíduos saudáveis. No entanto, quando comparado a VNI versus TME + TMI, elas foram semelhantes quanto a DC6M e o VO2pico, porém houve diferença significativa no Minnesota Living with Heart Failure Questionnaire (MLHFQ) comparadas ao controle (de 24,6 vs 19,2 na RC mais VNI, P=0,0001; e 26,6 vs 19,2 na RC + TME plus TMI, P<0,0001). A RC mais VNI levou a incremento adicional, na capacidade vital forçada (CVF). A RC plus TME + TMI mostrou benefício adicional nas pressões máximas inspiratórias e expiratórias com incremento de 83% da PImáx  e de 48% da PEmáx. Conclusões: O EA plus IMT plus EMT parece contribuir para o incremento das PImáx e PEmáx e otimizar a tolerância ao exercício tanto na ICrFE como em indivíduos saudáveis. A RC plus VNI versus RC plus TME mais TMI podem fornecer benefícios adicionais na qualidade de vida, melhorando função pulmonar ou o desempenho dos músculos ventilatórios, podendo contribuir como alternativas para RC na ICC, porém para confirmar ou refutar esses achados; novos estudos são necessários.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1149619 - SELMA SOUSA BRUNO
Interno - 1545315 - GUILHERME AUGUSTO DE FREITAS FREGONEZI
Externo ao Programa - 2419223 - GERSON FONSECA DE SOUZA
Notícia cadastrada em: 26/04/2019 08:55
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa15-producao.info.ufrn.br.sigaa15-producao