Banca de DEFESA: ANA CLÁUDIA MAURÍCIO DE CARVALHO

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : ANA CLÁUDIA MAURÍCIO DE CARVALHO
DATA : 09/06/2017
HORA: 08:30
LOCAL: Auditório do Departamento de Fisioterapia
TÍTULO:

Efeitos da hospitalização sobre a força de preensão em idosos


PALAVRAS-CHAVES:

Força Muscular, Sarcopenia, Envelhecimento


PÁGINAS: 85
RESUMO:

Objetivo: Avaliar os efeitos da hospitalização na força de preensão palmar em idosos internados em um hospital universitário, bem como comparar as médias de força de preensão palmar na admissão e na alta de homens e mulheres; identificar fatores relacionados ao pior desempenho e definir pontos de corte específicos para homens e mulheres. Métodos: um estudo do tipo observacional analítico do tipo coorte foi realizado no Hospital Universitário Onofre Lopes (HUOL), Natal-RN. Foram avaliados o estado cognitivo (Prova Cognitiva de Leganés), o estado funcional (Índice de Katz, Escala de Lawton, Limitação funcional de Nagi), de desempenho físico (Teste de força de preensãopalmar e velocidade da marcha) e presença de sintomatologia depressiva (GDS-15) aplicados na internação e na alta hospitalar, assim como informações sobre o estado de saúde e funcionalidade prévias à hospitalização. Resultados: Foram avaliados 1070 idosos, entretanto houve 75 óbitos. Em relação a força de preensão palmar observou-se diminuição significativa nas médias de força entre admissão e alta em homens (26,66±9,68 internação e 19,11±13,42 na alta, p<0,0001) e mulheres (17,93±7,43 internação e  14,24±9,41 alta, p<0,0001). Os homens apresentaram maior perda de força de preensão palmar em relação às mulheres (-8,10±13,51homens e -4,33±9,14mulheres, p<0,0001). Permaneceram significantes no modelo de regressão linear múltipla final as variáveis força máxima de preensão palmar na admissão, realizar cirurgia para ambos os grupos e apenas em mulheres ser dependente 15 dias antes e na admissão nas ABVD. Foram definidos os pontes de corte para força de preensão palmar de 22,0 Kgf para homens e 15 Kgf para mulheres. Conclusão: Os resultados do presente estudo sugerem que, existe uma diferença na força de preensão palmar nos dois momentos de avaliação e que homens perderam mais força que mulheres. Realizar cirurgia durante a hospitalização diminui a força muscular de homens e mulheres idosos, ser dependente nas ABVD 15 dias antes e na admissão também foram apenas em mulheres. Por fim, definimos os pontos de corte para força de preensão palmar em idosos hospitalizados específicos entre os sexos.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - MARIA DAS GRAÇAS RODRIGUES DE ARAÚJO - UFPE
Presidente - 350637 - RICARDO OLIVEIRA GUERRA
Interno - 2566849 - WOUBER HÉRICKSON DE BRITO VIEIRA
Notícia cadastrada em: 26/05/2017 16:50
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa06-producao.info.ufrn.br.sigaa06-producao