Banca de DEFESA: CAROLINA TAVEIRA GONÇALVES

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: CAROLINA TAVEIRA GONÇALVES
DATA: 31/08/2015
HORA: 09:00
LOCAL: AUDITÓRIO DO DEPTO DE FISIOTERAPIA
TÍTULO:

ATIVIDADE DOS MÚSCULOS PERIFÉRICOS E RESPIRATÓRIOS DURANTE DIFERENTES TESTES DE CAMPO EM PACIENTES COM DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA (DPOC)



PALAVRAS-CHAVES:

Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica, eletromiografia de superfície, músculos respiratórios, músculos periféricos.


PÁGINAS: 60
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Fisioterapia e Terapia Ocupacional
RESUMO:

Objetivo: Estudar a atividade elétrica dos músculos periféricos e respiratórios durante a realização de diferentes testes de campo em sujeitos com DPOC e sujeitos saudáveis (GC). Metodologia: Estudo analítico, transversal, quasi -experimental, onde a atividades elétrica por eletromiografia de superfície (EMGS) de dois músculos respiratórios, escaleno (ESC), esternocleidomastoideo (ECOM) e dois músculos periféricos reto femoral (RF) e deltóide médio (DELT) foram avaliados em sujeitos com DPOC vs GC, durante três testes de campo: Glittre-ADL test, incremental shuttle walking test (ISWT) e teste de caminhada de 6 minutos (6MWT). Os testes de Friedman e Man-Whitney  foram utilizados na análise estatística. Considerando que o teste Glittre ADL não possui valores de referencias de população saudáveis foi utilizada a curva ROC para analisar a habilidade do teste em detectar a presença ou ausência da doença. Resultados: Cinquenta e seis sujeitos com DPOC foram inicialmente contatados para o estudo, dos quais foram incluídos 15 na amostra final. Trinta indivíduos, sendo 15 pacientes com DPOC (Idade: 65,6±7,8 anos, IMC: 28,9±3,9 kg/m2, VEF1%pred 52,3±13,2) e 15 sujeitos saudáveis pareados por gênero e idade (65,1±7,8 anos, IMC: 26,8±3,3 kg/m2, VEF1%pred 102,4 ±17,4) (p<0,0001 para função pulmonar) foram estudados. Na análise da EMGs intergrupo do Glittre-ADL test, os indivíduos com DPOC apresentaram baixa ativação muscular periférica de deltóide (p<0,01) e reto femoral (p<0,01) quando comparado aos indivíduos saudáveis e desempenho inferior na execução do teste (DPOC: 331,3 seg vs GC: 268,3 seg, p<0,01). No ISWT e 6MWT, o músculo com maior ativação foi o RF nos indivíduos saudáveis (GC) quando comparado aos sujeitos com DPOC (p<0,01) em ambos os testes. Em relação ao desempenho nos testes de ISWT e 6MWT os grupos foram similar sem diferenças estatísticas (ISWT DPOC: 275,3±22,6 vs GC: 302,7±23,6 metros (p>0,05) e 6MWT no grupo DPOC: 421,5±75,2 vs GC: 459,2±5,6 metros (p>0,05)). Os sintomas relatados de dispnéia foram acentuados nos indivíduos com DPOC quando comparados ao GC nos três testes avaliados, Glittre-ADL test (Borg: 2,8 vs 1,6 p<0,001), ISWT (Borg: 2 vs 0,9, p=0,0004) e 6MWT (Borg: 3,8 vs 1,2 (p=0,001). A fadiga apresentou diferenças significativas intragrupo (p>0,01) e intergrupo (p<0,02), no grupo DPOC em todos os testes. A curva ROC demonstrou que o Glittre-ADL test foi consideravelmente sensível em detectar a diferença entre doença e saudáveis pelo teste em 75% dos pacientes (área= 0,753, p= 0,01). Conclusão:  Durante a execução dos três testes de campo avaliados, Glittre-ADL test, ISWT e 6MWT, a atividade dos músculos respiratórios e do deltóide foi similar em relação ao grupo controle, entretanto as custas de uma maior sintomatologia e menor ativação do músculo reto femoral. O desempenho  inferior dos pacientes com DPOC durante o Glittre-ADL test sugere que em atividades dinâmicas, onde os membros superiores são requisitados, ocorre um desequilíbrio na ativação muscular culminando com a sintomatologia relatada.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1545315 - GUILHERME AUGUSTO DE FREITAS FREGONEZI
Externo ao Programa - 2211046 - LUCIEN PERONI GUALDI
Externo à Instituição - SIMONE DAL CORSO - UNINOVE
Notícia cadastrada em: 11/08/2015 14:48
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa17-producao.info.ufrn.br.sigaa17-producao