Banca de QUALIFICAÇÃO: LUCILIA MENDES ROCHA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: LUCILIA MENDES ROCHA
DATA: 20/08/2012
HORA: 14:00
LOCAL: Sala multimeios/NEPSA às 14h
TÍTULO:

CONDIÇÕES E RELAÇÕES DE TRABALHO NO ÂMBITO DO SISTEMA ÚNICO DE ASSISTENCIA SOCIAL – SUAS: uma análise da realidade dos(as) Assistentes Sociais na região do Agreste paraibano


PALAVRAS-CHAVES:

Palavras-chave: Trabalho; Serviço Social; Assistência Social.


PÁGINAS: 60
GRANDE ÁREA: Ciências Sociais Aplicadas
ÁREA: Serviço Social
RESUMO:

RESUMO: A assistência social ao longo da sua trajetória histórica sempre incorporou, enquanto espaço sócio-ocupacional, a força de trabalho do assistente social. Todavia, é a partir da promulgação da Constituição Federal de 1988, que a assistência ganha status de política pública, passando a integrar o tripé da Seguridade Social, juntamente com as políticas de Saúde e Previdência. E, nos últimos anos essa política vem passando por um intenso processo de expansão e/ou centralidade, que a coloca “como mecanismo de enfrentamento das desigualdades, passando a mesma a se constituir como um fetiche social” (MOTA, 2008), e tornando-se responsável por responder as necessidades sociais dos(as) trabalhadores(as) que eram antes atendidas pelo trabalho. Nesse sentido, todo esse contexto de expansão da política de assistência social é influenciado, diretamente, pelas transformações ocorridas em nível macrossocial e, determinado pela implementação e hegemonia do neoliberalismo, sob a égide da construção de um Estado mínimo, voltado a atender aos interesses do grande capital em detrimento do social. Com isso, a área da assistência social que sempre se configurou como um importante campo de trabalho para os profissionais de Serviço Social passou, atualmente, a constituir-se como uma das áreas que mais empregam os(as) Assistentes Sociais, devido à ampliação desta política nos últimos anos e à própria descentralização para os municípios. Por isso, para compreender como vem se constituindo os espaços sócio-ocupacionais do Serviço Social, sobretudo as determinações do trabalho do(a) assistente social no âmbito da política de assistência social torna-se necessário situar a profissão entre os “fios invisíveis” que tecem as relações sociais capitalistas, visto que a mesma está inserida nesse processo de produção e reprodução das relações sociais, cuja direção e função estão, historicamente, determinadas pela divisão social e técnica do trabalho. Para tanto, este projeto de pesquisa objetiva trazer uma reflexão e uma análise crítica acerca das relações e condições de trabalho dos(as) assistentes sociais que atuam no âmbito da política de assistência, a partir da implantação do Sistema Único de Assistência Social - SUAS na região Agreste da Paraíba; Mapear os espaços sócio-ocupacionais que incorporam os(as) Assistentes Sociais no setor assistência na região Agreste da Paraíba; analisar as diferentes expressões da precarização do trabalho do(a) Assistente Social na realidade do SUAS expresso na região Agreste da Paraíba; analisar as possibilidades e os desafios para a consolidação do Projeto Ético-Político do Serviço Social no cotidiano da atuação profissional e, frente ao contexto de transformações no mundo do trabalho, na região Agreste da Paraíba. E, no sentido de materializar tais objetivos forjados para esta proposta de pesquisa buscar-se-á apropriar-se das contribuições do materialismo histórico-dialético por compreender que este método de investigação possibilita tecer reflexões acerca do objeto que ultrapassem o aspecto imediato e aparente que mesmo apresenta, ou seja, o materialismo histórico-dialético permite desvelar o objeto a partir de uma perspectiva crítica e de totalidade. No processo de produção e análise dos dados para a pesquisa será realizado em momentos específicos: o levantamento documental e bibliográfico (em curso), bem como da elaboração e aplicação dos instrumentos de pesquisa aos/às assistentes sociais, a saber: questionário com questões abertas e fechadas e de um roteiro de entrevistas. Assim, produção analisar as condições e as relações de trabalho e a ocupação desses espaços sócio-ocupacionais pelos(as) assistentes sociais torna-se imprescindível e urgente, no sentido de buscar possibilitar novas reflexões acerca do cotidiano profissional, abordando os limites e as possibilidades (técnico-operativa, teórico-metodológica, ético-política) postas ao Assistente Social, cotidianamente no seu espaço de trabalho.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 1149382 - IRIS MARIA DE OLIVEIRA
Presidente - 350261 - SEVERINA GARCIA DE ARAUJO
Interno - 1149518 - SILVANA MARA DE MORAIS DOS SANTOS
Notícia cadastrada em: 16/08/2012 10:00
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2023 - UFRN - sigaa08-producao.info.ufrn.br.sigaa08-producao