Banca de DEFESA: PRISCILLA BRANDAO DE MEDEIROS

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : PRISCILLA BRANDAO DE MEDEIROS
DATA : 27/06/2024
HORA: 14:00
LOCAL: NEPSA
TÍTULO:

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO E DESVIRTUAMENTO DA ASSISTENCIA SOCIAL: A REALIDADE DE TRABALHADORES/AS DO SUAS NO INTERIOR DO RIO GRANDE DO NORTE/RN


PALAVRAS-CHAVES:

Assistência Social; Precarização do Trabalho; Adoecimentos; Trabalho Reprodutivo. 


PÁGINAS: 264
RESUMO:

Esta tese objetivou analisar como a precarização do trabalho no capitalismo contemporâneo se configura na Política de Assistência Social brasileira. Nesse sentido, buscamos compreender os principais impactos nas condições e relações de trabalho de quem atua na referida política social na região do Seridó Ocidental do Rio Grande do Norte (RN). Algumas temáticas foram destacadas para essa análise, tais como: as mutações do mundo do trabalho, os vínculos contratuais, a divisão sociossexual e racial do trabalho, e os rebatimentos da precarização do trabalho face ao cenário de crise sanitária, instalada com a Covid-19. Metodologicamente, as análises construídas nesse estudo foram pautadas na investigação das determinações concretas do objetivo, através de pesquisas de campo, documental e bibliográfica. Três variáveis foram centrais para o desvelamento do fenômeno estudado: os agrupamentos por municípios da referida região, as categorias profissionais de nível superior (Serviço Social, Psicologia e Pedagogia) e a diferenciação de vínculos contratuais de trabalho no SUAS. Como resultado central, foi possível identificar que a intensificação da precarização do trabalho (que incide, por exemplo, na fragilidade dos vínculos contratuais de trabalho) desencadeou, na particularidade do Seridó Norte-rio-grandense, o que denominamos de desvirtuamento da Assistência Social. Diante disso, foi possível identificar o aguçamento dos adoecimentos (estresse, ansiedade), fruto das condições e relações de trabalho que essas(es) profissionais estão inseridas(os) no SUAS na região do Seridó Potiguar; como ainda, a insatisfação com a realização das atividades e, consequentemente, a ausência de condições para exercê-las; a falta de estrutura que permita o sigilo profissional; a (sobre) sobrecarga de trabalho das trabalhadoras do SUAS para com o atendimento do trabalho reprodutivo não remunerado. Por fim, concluímos que os (as) trabalhadoras que atuam nos vínculos contratuais de trabalho, na modalidade comissionada, são os(as) que vivenciam os cenários de maior intensificação da precarização do trabalho, salientando que essa parcela de trabalhadores(as) é composta, majoritariamente, por assistentes sociais.  


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2475019 - HENRIQUE ANDRE RAMOS WELLEN
Interna - 1958916 - EDLA HOFFMANN
Interna - 1228739 - JANAYNNA DE MOURA FERRAZ
Externa ao Programa - 1046524 - TAISE CRISTINA GOMES CLEMENTINO DE NEGREIROS - UFRNExterna à Instituição - MIRLA CISNE ÁLVARO - UERN
Externa à Instituição - MOEMA AMÉLIA SERPA LOPES DE SOUZA - UEPB
Notícia cadastrada em: 05/06/2024 17:34
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa09-producao.info.ufrn.br.sigaa09-producao