Banca de DEFESA: SOFIA CORADINI SCHIRMER

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : SOFIA CORADINI SCHIRMER
DATA : 03/09/2021
HORA: 09:00
LOCAL: On-line
TÍTULO:

Padrão de melanismo de borboletas neotropicais



PALAVRAS-CHAVES:

biomas, brilho, estudo cientometrico, ImageJ, melanismo.



PÁGINAS: 93
RESUMO:

Os padrões de brilho e coloração das asas das borboletas podem apresentar papeis intraespecíficos, interespecíficos e fisiológicos, sendo umas das principais funções a termorregulatória. A diferença quanto à quantidade de brilho entre a face ventral e dorsal funciona como captação e dissipação de calor, tendo em vista que regulam a exposição à fonte de calor de acordo com a abertura e fechamento das asas. O melanismo pode variar entre as famílias de borboletas, as diferentes faces das asas, e estar relacionado com o tamanho das asas e com fatores ambientais. Apesar de existirem padrões bem estabelecidos para outras regiões biogeográficas, nenhum estudo avaliou essas questões para borboletas neotropicais. Os dois objetivos principais desse trabalho foram (1) fazer um levantamento da produção científica sobre os padrões de coloração de borboletas em escala global, para identificar as principais lacunas temáticas e geográficas de pesquisa; e (2) avaliar quais fatores ambientias estão relacionados com o melanismo das asas de borboletas neotropicais. A produção de artigos sobre coloração de borboletas aumentou e acompanhou a produção científica geral (r = 0.076, p > 0.05). Nota-se a concentração da produção de artigos em países de língua inglesa (~60%), sendo a maioria dos estudos publicados por primeiros autores estadunidenses (27,8 %). Encontramos que borboletas menores são mais claras (p < 0.05) e que as famílias variam quanto a diferença de brilho entre a face dorsal e ventral. Não existiu relação das variáveis ambientais com o padrão de brilho para as borboletas neotropicais (p > 0.05), e borboletas de diferentes biomas apresentam padrão de melanismo similar. Provavelmente, outras variáveis podem influenciar o padrão de melanismo dessas borboletas, como a irradiação solar. Para ambientes mais quentes, é vantajoso que a borboleta seja pequena e brilhosa, assim evitaria os estresses decorrentes do sobreaquecimento. Essa variação de brilho entre as famílias pode estar relacionada com diferentes limiares de tolerância termal, bem como diferentes estratégias anti-predatórias como “flash dinâmico”. Contudo, é necessário incluir mais espécies de outros biomas e localidades do restante do país para reavaliar nossas hipóteses com base em gradientes ambientais mais extensos, tendo em vista que boa parte dos trabalhos focam em padrão de coloração e brilho de borboletas avaliam comunidades do hemisfério norte.



MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1476621 - DANIEL MARQUES DE ALMEIDA PESSOA
Externo à Instituição - FELIPE MALHEIROS GAWRYSZEWSKI - UnB
Externo à Instituição - VINÍCIUS DE AVELAR SÃO PEDRO - UFSCAR
Notícia cadastrada em: 25/08/2021 05:44
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa01-producao.info.ufrn.br.sigaa01-producao