Banca de DEFESA: ALAN MICHEL BEZERRA FURTUNATO

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : ALAN MICHEL BEZERRA FURTUNATO
DATA : 31/03/2020
HORA: 09:30
LOCAL: Sala Darwin
TÍTULO:

Caracterização eletrofisiológica das oscilações delta e teta do hipocampo dorsal de ratos durante locomoção em esteira


PALAVRAS-CHAVES:

oscilações hipocampais; teta; delta; corrida em esteira


PÁGINAS: 165
RESUMO:

A oscilação hipocampal no ritmo teta (6-10 Hz) foi extensivamente estudada ao longo da literatura, possuindo implicações em funções cognitivas, integração sensório-motora, sono paradoxal e durante a locomoção. Sendo atualmente bem caracterizada ao longo do eixo septal-temporal do hipocampo de roedores. Entretanto, o ritmo delta (0.5-4Hz), comumente investigado durante o sono de ondas lentas, períodos de inatividade, anestesia e epilepsia parece estar difundido ao longo de múltiplas regiões corticais e subcorticais assim como as oscilações teta. O que é coerente com a literatura, uma vez que oscilações de baixa frequência permitem a troca de informações de assembleias de neurônios entre regiões distantes do cérebro. Na presente dissertação, propomos uma caracterização eletrofisiológica das oscilações teta e delta por meio de dois protocolos distintos de locomoção em esteira, na área de CA1 dorsal do hipocampo de roedores. No primeiro manuscrito, contamos com o registro eletrofisiológico de 3 ratos machos da linhagem long-evans submetidos a 11 sessões (n=11) de 35 corridas de 15 s a 30 cm/s em uma tarefa em labirinto. Onde pudemos observar um aumento e diminuição gradual da potência das oscilações delta e teta, respectivamente, ao longo das corridas. E além disso, um aumento da coerência interhemisférica de fase da banda delta. A seguir, no segundo manuscrito, realizamos registros eletrofisiológicos da atividade de campo local em 6 ratos machos da linhagem wistar ao longo de 22 sessões (n=22) de 48 corridas de 20s sob 3 velocidades de aceleração (1, 1,5 e 2cm/s²) e 3 velocidades constantes (20, 30 e 40 cm/s) escalonadas em uma sequência de 8 blocos de 6 corridas. Através deste protocolo, pudemos verificar que as oscilações delta apresentam um aumento de potência enquanto as oscilações teta tendem a diminuir sua potência ao longo das corridas. E ainda, a oscilação delta no hipocampo dorsal de roedores apresentou um aumento de potência e frequência significativo em função de corridas em velocidades maiores. Tomados em conjunto, nossos resultados sugerem que a oscilação delta hipocampal possui um papel na sinalização da condição fisiológica dos sujeitos experientais, podendo servir como parâmetro de sinalização do nível de fadiga nesses roedores, ao longo de corridas sucessivas.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1696755 - BRUNO LOBAO SOARES
Externo ao Programa - 1989744 - HASSAN MOHAMED ELSANGEDY
Externo à Instituição - CLEITON LOPES AGUIAR - UFMG
Notícia cadastrada em: 19/03/2020 12:48
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa02-producao.info.ufrn.br.sigaa02-producao