Banca de DEFESA: LUZIA ELIONAIDE ALBUQUERQUE MARTINS

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : LUZIA ELIONAIDE ALBUQUERQUE MARTINS
DATA : 26/03/2019
HORA: 14:00
LOCAL: Sala Darwin
TÍTULO:

Avaliação da Neofobia Alimentar em Gêmeos 


PALAVRAS-CHAVES:

Aversão alimentar. Composição corporal. Similaridade genética. Herdabilidade. 


PÁGINAS: 62
RESUMO:

O comportamento alimentar diz respeito às atitudes relacionadas com as práticas alimentares do indivíduo e pode atuar promovendo o hábito alimentar. Existem algumas reações comportamentais que podem aumentar ou restringir o consumo alimentar. A neofobia alimentar é caracterizada pela resistência individual em experimentar um alimento novo podendo interferir no equilibro nutricional, impactando na composição corporal. A relação entre fatores genéticos e ambientais fornecem pistas importantes para contabilizar as diferenças individuais, sobretudo com relação ao processo de escolha alimentar e o estudo com gêmeos possibilita a observação desses fatores. Sendo assim, o objetivo desse estudo foi investigar o papel do grau de proximidade genética sobre a semelhança na resposta neofóbica e sua possível correlação com a composição corporal e zigosidade. Essa pesquisa é composta por dois estudos descritivos de corte transversal. No Estudo 1 participaram 138 indivíduos adultos, ambos os sexos, que foram submetidos a aplicação da Escala de Neofobia Alimentar (ENA) e aferição de medidas antropométricas e de composição corporal. No Estudo 2 a amostra foi composta por 138 pessoas adultas, ambos os sexos, divididos em 3 grupos: gêmeos monozigóticos (MZ), gêmeos dizigóticos (DZ) e irmãos não gêmeos (NG) com diferença de idade de até três anos, que responderam a Escala de Neofobia Alimentar (ENA). Os resultados do Estudo 1 mostraram que a neofobia alimentar não se correlaciona com as medidas para composição corporal analisadas em nosso estudo, a saber, IMC, massa magra e massa gorda. No Estudo 2 os resultados mostraram uma tendência para diferenciação entre os grupos, porém estatisticamente não significativos. Os resultados apontaram para um índice de herdabilidade de 29% para a neofobia alimentar classificada como moderada leve. Esses achados se tornam relevantes para a compreensão da resposta de neofobia alimentar e abre caminhos importantes quanto ao seu impacto não somente na composição corporal, mas também na composição da dieta e no que se refere aos hábitos alimentares das pessoas, pois pode se refletir em várias decisões diante dos alimentos.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - ALEXANDRE COELHO SERQUIZ - UNI-RN
Presidente - 1350337 - FIVIA DE ARAUJO LOPES
Externa à Instituição - SANCHA HELENA DE LIMA VALE - UnP
Notícia cadastrada em: 20/03/2019 14:46
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa02-producao.info.ufrn.br.sigaa02-producao