Banca de DEFESA: NATÁLIA DE ARAÚJO MIRANDA TASSO

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : NATÁLIA DE ARAÚJO MIRANDA TASSO
DATA : 24/04/2018
HORA: 14:00
LOCAL: PoP-RN da RNP, Centro de Convivência da UFRN
TÍTULO:

Doação de Sangue: Aspectos Sociodemográficos e Análise Evolutiva


PALAVRAS-CHAVES:

Pró-socialidade. Doação de sangue. Doadores de sangue. Motivação. Nível socioeconômico.


PÁGINAS: 37
RESUMO:

Doar sangue é um comportamento pró-social. Ao doar, somos capazes de salvar a vida de uma pessoa. No Brasil, a taxa da população que doa ainda não atinge a proporção mínima estipulada pela OMS, pois no país, tem-se o número de 1,76%, quando o ideal seria ter entre 3 a 5% da população doadora. Por isso, trabalhos que investiguem os componentes motivacionais para a doação são importantes e urgentes, a fim de aumentar esses números. No primeiro estudo, fizemos uma revisão sistemática na literatura dos últimos dez anos, buscando trabalhos brasileiros que abordassem a doação de sangue sob o ponto de vista motivacional. Ao final dos critérios de seleção, foram analisadas 38 publicações. Acreditamos que esse número precisa aumentar, principalmente porque foi achado apenas um artigo da área de psicologia. Essa área estuda comportamento humano e, por isso, deveria estar mais presente, já que a doação de sangue é um comportamento de ajuda que encontramos em nossa sociedade. No estudo dois, fizemos um levantamento do perfil sociodemográfico e socioeconômico dos doadores. Nossa amostra contou com maioria dos doadores sendo do sexo masculino, idade entre 18 e 27 anos, católicos/protestantes, ensino médio completo e tipo sanguíneo O. Além disso, mais de 40% da amostra se encontrava nos níveis socioeconômicos mais altos (A e B1). Esse estudo mostrou que o fator socioeconômico pode ser um componente importante na tomada de decisão de se tornar ou não um doador. Por fim, no estudo 3, analisamos algumas motivações relativas à doação. Encontramos que a motivação “Parecia o certo” foi mais importante para os doadores de reposição e para os homens, “Obrigação moral/social” e “Lanche gratuito” foi mais importante para os doadores de primeira vez e “Sinto-me psicologicamente bem ao fazer a doação” foi mais relevante para as mulheres. Além disso, vimos que a maior parte das primeiras doações teve caráter espontâneo. Em síntese, esse trabalho mostrou que a doação de sangue é um processo complexo, composto por várias nuances e que é preciso trazer informações de diversas áreas de conhecimento para entender o comportamento de forma mais completa.


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 1678202 - CARLOS ROBERTO SORENSEN DUTRA DA FONSECA
Presidente - 1350337 - FIVIA DE ARAUJO LOPES
Externo à Instituição - RONALDO PILATI RODRIGUES - UnB
Notícia cadastrada em: 12/04/2018 16:54
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa05-producao.info.ufrn.br.sigaa05-producao