Banca de QUALIFICAÇÃO: LUANE MARIA STAMATTO FERREIRA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : LUANE MARIA STAMATTO FERREIRA
DATA : 29/05/2017
HORA: 14:00
LOCAL: Anfiteatro das Aves
TÍTULO:

Conversando com o lobo: o quê a bioacústica nos revela sobre o comportamento dos lobos-guará (Chrysocyon brachyurus)


PALAVRAS-CHAVES:

Chrysocyon brachyurus, aulido, propagação, playback, monitoramento acústico passivo, identidade vocal.


PÁGINAS: 108
RESUMO:

O lobo-guará é um canídeo evasivo, noturno/crepuscular, que compartilha o amplo território com o parceiro reprodutivo, porém interage fisicamente apenas na estação reprodutiva. Apesar de ser considerada solitária, a espécie utiliza vocalizações de longa distância – o aulido – para se comunicar com o parceiro e outros coespecíficos de forma regular. O objetivo deste trabalho foi investigar a comunicação acústica dos lobos-guará para elucidar seu comportamento social. Experimentos de propagação no Parque Nacional da Serra da Canastra, MG/BR, indicam que os animais elevam a cabeça no momento de emitir aulidos para melhorar o alcance de propagação, pelo menos em alguns terrenos, e que esse sinal é adaptado para melhor propagar em seu ambiente natural, como previsto pela hipótese da adaptação acústica (HAA). Os horários de melhor propagação experimental do aulido não são os mais utilizados pela espécie para vocalizar, indicando que outros fatores, como menor ruído de fundo e fatores sociais, influenciam o padrão temporal de atividade vocal. Animais de vida livre vocalizaram e se aproximaram de forma simultânea e coordenada em resposta ao playback, revelando um grau de interação maior do que o imaginado. A comparação dos registros simultâneos de múltiplos gravadores autônomos instalados no mesmo parque assim como os resultados do experimento de propagação mostraram vários parâmetros acústicos estáveis ao longo da sua propagação à distância e foi possível discriminar o sexo e a identidade de animais de cativeiro com esses parâmetros (90 a 100% de sucesso). Os parâmetros acústicos da banda mais grave do aulido foram capazes de sozinhos discriminar o sexo do emissor e foi encontrado evidências de que a banda de frequência imediatamente superior é importante para discriminação de identidade. Contudo, quando as funções discriminantes foram aplicadas nos dados de ambiente natural e naqueles provenientes do experimento de propagação, seu desempenho foi pouco confiável. A investigação de padrões temporais e espaciais nas vocalizações assim como novas metodologias para a discriminação de identidade e sexo serão utilizadas para permitir o monitoramento acústico dessa espécie e esclarecer seu comportamento social.


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 1753234 - GUSTAVO ZAMPIER DOS SANTOS LIMA
Externo ao Programa - 1439088 - MAURO PICHORIM
Presidente - 1863735 - RENATA SANTORO DE SOUSA LIMA MOBLEY
Notícia cadastrada em: 11/05/2017 14:18
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa09-producao.info.ufrn.br.sigaa09-producao