Banca de DEFESA: VANESSA CARLA COELHO DE LIMA



Uma banca de DEFESA DE MESTRADO foi cadastrada pelo programa.

DISCENTE: VANESSA CARLA COELHO DE LIMA
DATA: 23/05/2016
HORA: 09:00
LOCAL: Sala de Aula da Pós-Graduação em Psicobiologia
TÍTULO:

O período de imaturidade em macacos-prego (Sapajus sp.): habilidades de forrageio e redes sociais


RESUMO:

O estudo do desenvolvimento tem recebido destaque com a crescente aceitação de novos modelos que defendem que processos comportamentais podem ter um papel importante no surgimento e manutenção das variações fenotípicas. Essa perspectiva é particularmente relevante no estudo de espécies que vivem em ambientes socialmente e ecologicamente complexos, pois é durante o desenvolvimento que os indivíduos aprimoram o comportamento adequado para sobrevivência diante das condições imediatas. Nós avaliamos as mudanças nas redes sociais, padrões de forrageamento e obtenção de comida em macacos-prego imaturos, especificamente analisando as seguintes hipóteses: 1. Filhotes de macacos-prego exercem atração generalizada em outros membros do grupo; 2. As relações sociais de fêmeas lactantes são regidas por forças de mercado; 3. A eficiência do comportamento alimentar aumenta com o desenvolvimento; 4. A proximidade social atua como facilitador no comportamento alimentar. Para isso, foram utilizados dados coletados em um grupo de macacos-prego (Sapajus sp.) habitantes do Parque Ecológico do Tietê (PET) (cerca de 20 ha), localizado na Zona leste de São Paulo e composto por 26 indivíduos. As observações foram realizadas entre os anos de 1999 e 2001, totalizando 304 horas, 18.081 varreduras de comportamento e proximidade, e 1568 sequências comportamentais. Infantes foram os mais tolerados entre todos os imaturos, possuindo os mais altos níveis de alcance e força em suas networks de proximidade, enquanto juvenis a partir do segundo ano de vida receberam significativamente mais abordagens agressivas. Esses resultados suportam evidências da alta tolerância aos indivíduos infantes. Entretanto, os resultados não oferecem suporte ao modelo de que as interações de fêmeas lactantes seguem regras de mercado, pois essas fêmeas tanto receberam quanto ofereceram mais catação. Nas análises do comportamento alimentar, foi detectada mudança nas estratégias de obtenção de alimentos, com infantes fazendo uso da amamentação; juvenis I, adquirindo alimentos a partir do forrageio de coespecíficos; e juvenis II e III gradualmente aumentando a porcentagem de tempo dedicada a manipulação do próprio alimento. Infantes foram mais centrais do que juvenis mais velhos, e a eficiência nessa idade se correlacionou a centralidade. De forma coerente, a centralidade não se correlacionou à eficiência de forrageio em juvenis acima de 2 anos. Atualmente, a taxa de mudança ambiental é presumida por exceder a taxa de resposta evolutiva de muitas populações, sabendo que a plasticidade fenotípica (que inclui a flexibilidade comportamental) ocorre durante o desenvolvimento dos indivíduos, a tolerância social para manutenção da coesão do grupo e para o aprendizado de habilidades específicas de fundamental importância para a sobrevivência dos indivíduos.


PALAVRAS-CHAVE:

Desenvolvimento, redes sociais, macacos-prego, forrageamento, sequência comportamental.


PÁGINAS: 95
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Psicologia

MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - BRISEIDA DOGO DE RESENDE - USP
Interno - 350638 - MARIA DE FATIMA ARRUDA DE MIRANDA
Presidente - 2696495 - RENATA GONCALVES FERREIRA
Notícia cadastrada em: 10/05/2016 15:02
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa13-producao.info.ufrn.br.sigaa13-producao