Banca de DEFESA: PATRÍCIA CRUZ BARBALHO

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: PATRÍCIA CRUZ BARBALHO
DATA: 31/03/2016
HORA: 13:00
LOCAL: Anfiteatro das Aves
TÍTULO:

Dinâmica social e movimento coletivo em éguas (Equus caballus)


PALAVRAS-CHAVES:

Reconciliação, consolo, intervenção em conflito, sincronia, parceiras preferenciais, liderança, custos de consenso.


PÁGINAS: 123
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Psicologia
SUBÁREA: Psicologia Comparativa
ESPECIALIDADE: Estudos Naturalísticos do Comportamento Animal
RESUMO:

Este trabalho analisa a dinâmica social de um grupo de éguas em três dimensões: diádica, triádica e coletiva. Está dividido em três capítulos cujos objetivos são: 1) descrever interações diádicas afiliativas e agonísticas e caracterizar a dinâmica social de parcerias preferenciais, 2) analisar ocorrências e interações em conflitos (intervenções de terceiros) e pós-conflitos (reconciliação, consolo e apaziguamento) e 3) caracterizar a dinâmica de movimentos coletivos sob análises de fatores próprios do indivíduo (idade, peso, ranque e estado reprodutivo). O estudo foi realizado no Haras Volta (Frei Paulo, SE, Brasil) em 2012 e 2013. Foi observado um grupo de 64 éguas e 20 potros lactentes da raça manga-larga machador. Foram realizadas três tipos de observações diurnas: 1) focal (ocorrências de comportamentos agonísticos, afiliativos, sincronia e mudança de direção = 130 horas); 2) todas as ocorrências de conflitos em 304h e 3) varreduras (posicionamento e atividade = 117 varreduras) que geraram informações de proximidade (valor da relação), rede social e distâncias entre os animais. No Cap. 1 descrevemos que as éguas se envolveram mais em afiliação do que em agonísmos. É possível que a sincronia na direção possa ser um tipo de afiliação também nessa espécie. Éguas mais velhas e mais pesadas tiveram ranques mais elevados, mas não houve categoria mais agressiva que outra. Parceiras preferenciais apresentaram similaridade em idade, peso, força nos relacionamentos e centralidade social sendo que a dinâmica social dessas parcerias caracterizou-se por proximidade e baixo agonísmo entre parceiras. A afiliação e a sincronia foram mais direcionadas para animais neutros do que para parceiras preferenciais. No Cap. 2 reportamos que reconciliação, consolo/apaziguamento e intervenção em conflitos (IC) ocorreram em 57%, 37% e 31% dos conflitos, respectivamente. A ocorrência de reconciliação ou dispersão, realizadas pelas díades com e sem reconciliação, respectivamente, podem ser estratégias para redução da incerteza/instabilidade social pós-conflito. Os conflitos ocorreram entre éguas com pouca proximidade e reconciliação não foi dependente do valor da relação (amizade), mas o consolo e apaziguamento foram. A intervenção em conflitos foi realizada por éguas com idade e ranque mais elevados que os das oponentes do conflito, e não foi direcionada a parceiras preferenciais, sugerindo manutenção da estabilidade social. No Cap. 3 detectamos que não houve uma categoria de indivíduos que se posicionasse com maior frequência à frente ou ao centro do rebanho. Animais mais jovens (potros) foram socialmente mais centrais e animais com necessidades nutricionais diferenciadas (prenhes e lactantes) e de alto ranque foram menos centrais socialmente. Mais da metade do rebanho esteve direcionado, com antecedência, para o sentido que o grupo veio a seguir e o índice de concordância na direção (ICD) foi maior quando o grupo se deslocou mais. Isso pode sugerir que o sentido do deslocamento do grupo foi determinado pelo sentido do corpo da maioria dos animais (minimizando custos de consenso), que pode ter ocorrido por processo mimético de sincronização, sugerindo uma forma simplificada de coordenação (liderança) distribuída em pastejo. Éguas vazias e de baixo ranque ajustaram mais suas direções em pastejo à direção das outras éguas. Isso indica maior ocorrência de processos miméticos de sincronismo, o que pode levar a coordenação do movimento ser efetuada por animais que mantenham maior consistência na direção.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 1149552 - ARRILTON ARAUJO DE SOUZA
Interno - 1350337 - FIVIA DE ARAUJO LOPES
Presidente - 2696495 - RENATA GONCALVES FERREIRA
Notícia cadastrada em: 22/03/2016 15:59
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa02-producao.info.ufrn.br.sigaa02-producao