Banca de DEFESA: PAULA SOBENKO HATUM

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: PAULA SOBENKO HATUM
DATA: 27/05/2015
HORA: 14:30
LOCAL: Anfiteatro das Aves
TÍTULO:

The song of humpback whale and the potencial effects of whale-watching in the Abrolhos Bank, BA, Brazil


PALAVRAS-CHAVES:

Mamíferos marinhos, atividade vocal, efeito antrópico, ecoturismo, evolução cultural.


PÁGINAS: 160
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Psicologia
RESUMO:

Os machos de baleia jubarte, Megaptera novaeangliae, produzem uma longa e complexa sequência de sons, denominada canto, que podem ser definidas em uma estrutura hierárquica, consistindo de subunidades e unidades, subfrases e frases, temas, canto e sessões de canto. O canto ocorre predominantemente em áreas de reprodução, no entanto, machos também cantam, porém com menor ocorrência, em áreas de alimentação e durante a migração. A função do canto ainda não é bem compreendida, porém, entre muitas hipóteses propostas, as teorias predominantes são de que os machos cantam para atrair as fêmeas, ou para estabelecer e/ou manter dominância entre machos.n. Inicialmente descritos como padrões fixos, estudos subsequentes mostraram que o canto está sob frequentes mudanças ao longo de uma ou mais estações reprodutivas dentro de uma população. Este processo tem sido referido como um exemplo de evolução cultural. Desde o início da moratória à caça, muitas populações de baleias vêm se recuperando em todo o mundo e, no Brasil, acompanhando o aumento da ocorrência das baleias jubarte, o turismo de observação (Whale-Watching) desta espécie vem se tornando cada vez mais frequente no estado da Bahia. Embora permita uma utilização mais sustentável das jubartes como um recurso natural, o rápido crescimento desse tipo de turismo vem gerando preocupação sobre os possíveis efeitos que a atividade pode causar na espécie, em especial nas áreas de reprodução, como é o caso do Banco dos Abrolhos, litoral sul da Bahia, principal área de reprodução da espécie no oeste do Oceano Atlântico Sul. Todas as embarcações, desde os menores barcos até os grandes petroleiros, produzem ruídos, os quais variam com as características das mesmas. Estudos investigando as possíveis respostas da baleia jubarte frente à aproximação de embarcações verificaram que a duração de alguns elementos do canto foi alterada, podendo até mesmo levar à interrupção do comportamento vocal em períodos de tráfego intenso ou têm seus cantos mascarados pelos ruídos das embarcações, o que pode ser um problema para detecção e localização de machos cantores e comunicação entre as baleias. As consequências dessa ruptura no sistema de comunicação podem resultar em graves efeitos sobre o sucesso de acasalamento individual, podendo até mesmo, em longo prazo, causar efeitos na viabilidade das populações. Este trabalho tem como objetivo (1) analisar a variação na estrutura do canto das baleias jubartes no Banco dos Abrolhos durante o período de 2003-2005, descrevendo as variações encontradas no nível hierárquico de frases, e, definir linhagens de temas ao longo deste período; (2) comparar o comportamento vocal de machos de baleia jubarte na presença e na ausência de barcos a motor associados à atividade turística na região do banco dos Abrolhos; e, (3) caracterizar os ruídos das embarcações e identificar as características dos barcos que influenciam nas respostas comportamentais das baleias jubarte. Vinte e um temas foram descritos entre o perído de 2003 e 2005. Linhagens de continuidade foram definidas para temas nos quais haviam frase padrão definida através de teste estatístico. Foram observadas mudanças na estrutura espectral das unidades, a introdução de novas unidades, unidades de remoção e também variação na estrutura geral sentença intra e inter-individual. No capítulo 2, o canto foi adquirido sem a presença de barco a motor e durante a aproximação de um único barco a motor, o qual se aproximava seguindo as diretrizes para as atividades de "whale watching" nesta área. Os resultados mostraram que embora o número de frases por tema diminuam na presença de barco, esta diferença não é significativa. Similarmente, a duração da frase também é mantida mesmo durante a exposição ao ruído de barcos a motor, o que sugere que esta métrica deve ser importante para a comunicação de machos reprodutivos e deve apresentar uma forte pressão seletiva para manter sua consistência. Finalmente, no terceiro capítulo, os resultados sugerem que os sons produzidos pelos diferentes tipos de embarcações neste estudo (veleiro e traineiras) e os diferentes tipos de motor (motor de popa e motor interior), parecem não ter qualquer influência no comportamento acústico ou espacial das jubartes. Além disso, os valores encontrados para as métricas utilizadas (3 dB bandwidth e source level) na caracterização dos ruídos produzidos pelas diferentes embarcações, parecem não apresentar nenhuma associação com os diferentes tipos de barcos de turismo considerados na análise. No entanto, 71 % (n = 7) das embarcações apresentaram valores de 3 dB bandwidth que se sobrepõe as frequencias utilizadas no canto dos machos de baleia jubarte, sugerindo o possível mascaramento das vocalizações das baleias. Devido à importância da comunicação acústica para as baleias jubarte, faz-se necessário compreender melhor os processos envolvidos na evolução do canto da espécie, bem como a melhor compreensão dos possíveis efeitos provocados pelos ruídos das embarcações sobre as baleias jubartes que podem fornecer informações relevantes na tomada de decisões para a conservação e o melhor gerenciamento do turismo de observação das jubartes no Parque Nacional Marinho dos Abrolhos, ambiente de extrema importância para a espécie.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - ARTUR ANDRIOLO - UFJF
Externo à Instituição - MARIA LUISA DA SILVA - UFPA
Presidente - 1863735 - RENATA SANTORO DE SOUSA LIMA MOBLEY
Notícia cadastrada em: 07/05/2015 14:09
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa14-producao.info.ufrn.br.sigaa14-producao