Banca de DEFESA: DINA LILLIA OLIVEIRA DE AZEVEDO

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: DINA LILLIA OLIVEIRA DE AZEVEDO
DATA: 30/09/2014
HORA: 14:30
LOCAL: Anfiteatro das Aves
TÍTULO:

Decisões comportamentais em contexto de forrageamento de Dinoponera quadriceps


PALAVRAS-CHAVES:

Dinoponera quadriceps, orientação, forrageio, autoestimulação, facilitação social, decisões individuaisLinha de pesquisa: Comportamento social e ecologia.


PÁGINAS: 85
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Psicologia
RESUMO:

As decisões comportamentais de um animal não ocorrem de forma aleatória, uma vez que os comportamentos são ajustados para garantir a sobrevivência e a reprodução do animal. Nesta pesquisa, examinei algumas decisões comportamentais no contexto de forrageamento, da formiga Dinoponera quadriceps. O estudo foi realizado no Laboratório de Biologia Comportamental na UFRN e, em uma área de Mata Atlântica secundária na FLONA-ICMBio de Nísia Floresta/RN. Em todas as observações e experimentos, as formigas foram marcadas, individualmente, com uma etiqueta alfanumérica colada no tórax. Na primeira parte do estudo analisei as pistas de orientação utilizadas pela D. quadriceps. Num labirinto de 17 compartimentos testei cada forrageador por 10min em três sessões para seis tratamentos diferentes. Os tratamentos consistiam da presença/ausência de odor e de marcas visuais superiores ou frontais. As operárias demonstraram que a presença de odor é indispensável e marcas visuais frontais são mais eficazes do que as visuais superiores. Na segunda parte, investiguei a discriminação do alimento, considerando os parâmetros, tamanho, peso e volume. Num experimento de ‘cafeteria’, disponibilizei em uma placa de Petri, dentro de uma arena experimental de 1m², pedaços de alimento (mortadela) de forma cilíndrica. Inicialmente, os pedaços eram de quatro tamanhos diferentes; numa segunda etapa, os pedaços eram do mesmo tamanho, mas com peso diferente; na última etapa, os pedaços tinham mesmo peso, mas volume diferente. O resultado mostrou o efeito dos parâmetros tamanho e peso para a escolha alimento. Na terceira parte do estudo, avaliei a resposta da colônia à ausência das forrageadoras mais ativas, bem como, a influência da atividade das forrageadoras ativas nas inativas. As colônias foram observadas em ambiente natural. As observações aconteciam em três dias consecutivos (total de 30 dias para cada colônia), 12 horas/dia. No primeiro dia observava a saída e entrada das operárias; no segundo dia, aquelas que foram mais ativas no primeiro dia foram retiradas (devolvidas no final do dia), fazia a mesma observação; no terceiro dia, as observações eram idênticas ao do primeiro dia. Como resultado, as operárias de D. quadriceps não realizam facilitação social e, há uma compensação da colônia na falta das operárias mais ativas. Com base no exposto, afirmo que as operárias de D. quadriceps nos seus deslocamentos usam pistas de orientação química e visual frontal e superior, respectivamente. Elas avaliam o alimento escolhido por tamanho e peso. A regulação da dinâmica de atividade das forrageadoras é por autoestimulação, uma operária ativa não influencia a atividade de uma inativa, a motivação do sucesso na busca é para a própria operária bem sucedida.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1149552 - ARRILTON ARAUJO DE SOUZA
Interno - 026.781.599-90 - WALLISEN TADASHI HATTORI - UFRN
Externo à Instituição - ANA MARIA MATOSO VIANA BAILEZ - UENF
Externo à Instituição - JACQUES HUBERT CHARLES DELABIE - UESC-BA
Externo à Instituição - RONARA DE SOUZA FERREIRA - UFES
Notícia cadastrada em: 15/09/2014 08:28
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa12-producao.info.ufrn.br.sigaa12-producao