Banca de DEFESA: DIEGO ALEXANDRE DA CUNHA FERNANDES

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: DIEGO ALEXANDRE DA CUNHA FERNANDES
DATA: 22/09/2014
HORA: 09:30
LOCAL: Sala de Aula da Pós-Graduação em Psicobiologia
TÍTULO:

EFEITO DE LIGANTES DO RECEPTOR NOP NO MODELO ANIMAL DE MANIA INDUZIDO POR METILFENIDATO


PALAVRAS-CHAVES:

Camundongo, mania, transtorno bipolar, metilfenidato, nociceptina/orfanina FQ, dopamina.


PÁGINAS: 74
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Psicologia
RESUMO:

O transtorno bipolar é uma psicopatologia crônica que atinge de 1 à 4% da população mundial. Esse transtorno do humor é caracterizado por alterações cíclicas do humor, nas quais o indivíduo alterna entre os estados de depressão e mania. A mania é descrita na literatura, como um estado de exacerbação anormal do humor, em que o sujeito apresenta um comportamento expansivo, eufórico, porém com aumento da irritabilidade, intensa agitação psicomotora e um sentimento de invencibilidade inconsequente, que contribui para a exposição á comportamentos de risco. O tratamento dessa psicopatologia é complexo e não apresenta eficácia em todos os casos, além de possuir muitos efeitos colaterais. Nesse aspecto, o sistema da Nociceptina/Orfanina FQ (N/OFQ) pode ser estudado como um possível alvo terapêutico para o tratamento do transtorno bipolar, devido ao seu papel modulatório sobre os sistemas monoaminérgicos e sua participação na modulação do humor. Este trabalho visa investigar o efeito de ligantes do receptor NOP em um modelo animal de mania induzida por metilfenidato. Para isso foi avaliada a atividade motora espontânea, em um campo aberto, de camundongos tratados com metilfenidato (10 mg/kg, sc, 15 min). O valproato de sódio (300 mg/kg, ip, 30 min), fármaco utilizado no tratamento clínico da mania, foi capaz de prevenir a hiperlocomoção causada pelo metilfenidato. O tratamento agudo com o antagonista do receptor NOP, UFP-101 (1-10 nmol, icv, 5 min), não afetou per se a locomoção espontânea dos camundongos, mas foi capaz de atenuar a hiperlocomoção induzida por metilfenidato. Por sua vez, o tratamento agudo com N/OFQ (0,1 e 1 nmol, icv, 5 min) não alterou significativamente a distância percorrida, mas quando testada na dose de 1 ηmol, a N/OFQ foi capaz de reverter discretamente os efeitos hiperlocomotores promovidos pelo metilfenidato. Em conclusão, tanto a administração de N/OFQ quanto de UFP produzem ações do tipo antimaníacas. Além disso, estes dados sugerem que o sistema da N/OFQ efetua uma modulação complexa sobre o movimento voluntário e, consequentemente, sobre a neurotransmissão dopaminérgica.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1645202 - ELAINE CRISTINA GAVIOLI
Externo à Instituição - MAXWELL BARBOSA DE SANTANA - UFOPA
Externo ao Programa - 2140860 - ROVENA CLARA GALVAO JANUÁRIO ENGELBERTH
Notícia cadastrada em: 11/09/2014 15:37
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa01-producao.info.ufrn.br.sigaa01-producao